Pular para o conteúdo principal

Relato do parto natural da Isa

Hoje vou colocar aqui o relato de parto de uma barriguda muito querida que acompanhei como doula!!! Espero que gostem!!!!

"Prometi não só a mim, mas a minha filha e meu marido tentar fazer um relato bem completo, cheio de amor! Quero que minha princesa leia um dia e se sinta feliz pela forma como sua vida começou! Desculpem, mas o relato será longo.
A busca pelo parto natural: Desde o início da gestação, eu e R. sempre tivemos certeza de que o parto normal seria a escolha mais acertada, quer dizer, a escolha natural. Minha gravidez foi tranquila, sem enjôos e problemas de saúde, uma bênção para quem estava bem acima do peso ao engravidar e, com 29 anos, já não era nenhuma mocinha.
Começamos a ir em um GO muito bom, compreensivo e tudo mais, pelo convênio. Ele disse que se tudo estivesse bem, faríamos um parto normal, mas que era cedo para precisarmos. Conforme a gravidez foi evoluindo, eu, totalmente viciada nessa comunidade e em outras com informações sobre gravidez, fui percebendo que para se ter um parto normal no Brasil, precisava-se lutar e muito, que alguns médicos diziam ser favoráveis ao PN até os 45 do segundo tempo, onde colocariam "n" motivos para marcar uma cesárea.
Por causa disso, fomos buscar o grupo de parto alternativo da Unicamp, que tem reuniões semanais e a possibilidade da realização do parto de cócoras e natural, sem intervenções desnecessárias. Estávamos preocupados com a hotelaria, em ter que dividir quarto com muitas mamães, mas por fim decidimos que em nome de uma parto da maneira que sonhávamos, sem intervenções, sendo respeitados em nossas vontades, valeria a pena passar alguns dias sem o papai por perto e com outras mamães no quarto.
Mesmo assim, continuei freqüentando meu GO. No dia 11, com 38 semanas completas, foi meu primeiro exame de toque, que não doeu, mas sangrou bastante... O médico disse que eu não tinha nada de dilatação, mas que a Isa estava encaixada. Ainda perguntei se ele não tinha uma previsão... ele disse que não.
Voltei para casa pensando que ela demoraria muito.... Mas para minha surpresa, quando foi 4:30 da tarde, levantei do computador e uma aguinha saiu... não foi muito, mas todas as vezes que levantava saía...
Conversei com a Renata, minha doula, pelo MSN e estávamos na dúvida... Mas depois de algum tempo, começaram umas cólicas fraquinhas, sem ritmo... Depois de uma hora, começaram a ficar mais fortes e mais ritimadas... Meu marido, que havia falado comigo pelo telefone chegou e comemos alguma coisinha... mas já não conseguia parar para comer...
Eu e R. fomos para o chuveiro, enquanto a Renata estava a caminho... Acho que no chuveiro, comecei a gritar, foi a forma que encontrei de extravasar... Pensei que não gritaria, mas foi puro instinto... Depois que a Renata chegou, começamos a fazer vários movimentos e várias posições para aliviar as dores, na bola, na cama com travesseiros, caminhando... abraçando e caminhando com o R.
Devo fazer um adendo aqui e falar que o R. estava calmíssimo, fazia todas as massagens, me dava força e a cada contração falava que a Isa estava chegando...aí eu completava: vem minha filha, vem que a gente tá te esperando! A Renata ajudou muito com algumas massagens, posicionamentos e dicas para aliviar as dores... É muito bom ter uma doula para te acompanhar! Como a dor na hora que vinham as contrações estavam punk, falei a besteira: ' agora sei porque muitas mulheres pedem a cesárea' ... logo ela e o R. me falaram que eu estava indo muito bem e que tava tudo certo! Me senti bem idiota nessa hora, hehehe! Voltando ao TP, quando deu 10:30 da noite eu falei: 'gente, vamos para o hospital'...porque eu já tava com vontade de fazer força... Mas os dois ponderavam, será que não é muito cedo? O TP pode estacionar no hospital... eu também tinha esse medo, mas tinha algo que me falava que estava na hora mesmo...essa vontade de fazer força incontrolável era o maior indício... Chegando no hospital, fomos para a triagem e para nossa surpresa, já estava com 10 de dilatação...Tiveram que me levar de maca e correndo para a sala do cócoras. Cheguei e me posicionei, aí a médica falou que podia fazer força...mas como meu marido ainda não tinha chegado, falei que iria esperar por ele...Sorte que ele chegou e a Renata também.
Comecei a fazer as forças e o pessoal ficava falando : força, força, força o tempo todo... Aí o R., que estava atrás de mim falava: só faz a a força quando tiver contração... Achei tão lindo o fato dele estar calmo e bem consciente de tudo o que tínhamos aprendido! Aí falavam: faz muita força, que tá saindo... Ele: faz com calma para não machucar muito o períneo!!!
Estava fazendo a força um pouco mais curta e por isso, a cabecinha não saiu toda... aí me pediram para sentir os cabelinos dela... nossa, aí sim eu comecei a me empenhar... mas estava ficando um pouco cansada do cócoras... quando me ofereceram para reclinar na cadeira e relaxar as pernas nas barras de apoio. Nessa hora veio uma contração e a cabecinha saiu... Na próxima, a Isa nasceu todinha!
Nossa, que coisa mais surreal... aquele bebê que era uma imagem, meio que parte de sua imaginação, se materializa na sua frente, chorandinho, resmungando, toda branquinha. O fruto de uma amor tão bonito, materializado em uma pessoinha!!! Aquilo foi tudo!!! A dor??? Nessa hora,não tinha dor... Aliás, as contrações foram mais doídas que o expulsivo...o expulsivo era pura concentração na força... A dor em parte é que que você projeta nela... se é sofrimento, vai ser mais doído, sofrido... se é uma dor que está te direcionando para o bem mais precioso da sua vida, que Deus te confiou, aí você sabe que ela tem um propósito!
Depois que ela nasceu, pesando 3,450kg e medindo 49, 5 cm , com apgar 10/10, ninguém a puxou correndo para aspirar e fazer procedimentos. Ela foi direto para o meu peito se aquecer e depois mamar...O R., que nunca imaginou na vida em fazer isso, cortou o cordão umbilical. Ela ficou quase uma hora comigo, enquanto esperavam a placenta sair e depois me darem dois pontinhos de uma laceração de primeiro grau que tive...
Queria voltar para o quarto andando,mas isso não me deixaram... Mas estava me sentindo bem, apesar da perda de sangue. O R. ficou acompanhando amarradão as medidas e pesagem dela e ele está apaixonado pela linda, assim como eu.
Minha Isa é calminha, dorme e mama muito e agora anda aprontando algumas de fazer cocô e xixi bem na hora da troca de fraldas... Ela é a alegria da nossa vida e uma Bênção de Deus!
O parto foi sem intervenção nenhuma, nem tricotomia, nem lavagem intestinal, nem episiotomia, nem analgesia e foi maravilhoso! Foi muito bom ter ido ao CAISM para poder ter sido respeitada em todas as nossas vontades e que o parto ocorresse de acordo com nossas convicções.
Fica meu agradecimento ao meu marido maravilhoso, que pariu junto comigo, me deu calma e força necessárias para as forças... Amo-o ainda mais depois desse dia maravilhoso! A Renata, minha doula, que foi muito querida e me ajudou muito a trazer a Isabela na noite de seu aniversário...agradeço muito também. Também desejo que todas, independente da forma como for o trabalho de parto e parto sintam a emoção maior do encontro com o filho, que é a sensação mais maravilhosa do mundo. Desculpem mais uma vez pelo relato enorme... mas eu não falo pouco, hehehe."
L.
Mãe da Isa de 20 dias.


Comentários

Carla Beatriz disse…
Que relato de parto mais lindo e comovente! Que sirva de exemplo para outras mulheres!!!

Parabéns para essa mãe, pai e doula!!!

Beijos mil

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…