Relato do parto natural da Isa

Hoje vou colocar aqui o relato de parto de uma barriguda muito querida que acompanhei como doula!!! Espero que gostem!!!!

"Prometi não só a mim, mas a minha filha e meu marido tentar fazer um relato bem completo, cheio de amor! Quero que minha princesa leia um dia e se sinta feliz pela forma como sua vida começou! Desculpem, mas o relato será longo.
A busca pelo parto natural: Desde o início da gestação, eu e R. sempre tivemos certeza de que o parto normal seria a escolha mais acertada, quer dizer, a escolha natural. Minha gravidez foi tranquila, sem enjôos e problemas de saúde, uma bênção para quem estava bem acima do peso ao engravidar e, com 29 anos, já não era nenhuma mocinha.
Começamos a ir em um GO muito bom, compreensivo e tudo mais, pelo convênio. Ele disse que se tudo estivesse bem, faríamos um parto normal, mas que era cedo para precisarmos. Conforme a gravidez foi evoluindo, eu, totalmente viciada nessa comunidade e em outras com informações sobre gravidez, fui percebendo que para se ter um parto normal no Brasil, precisava-se lutar e muito, que alguns médicos diziam ser favoráveis ao PN até os 45 do segundo tempo, onde colocariam "n" motivos para marcar uma cesárea.
Por causa disso, fomos buscar o grupo de parto alternativo da Unicamp, que tem reuniões semanais e a possibilidade da realização do parto de cócoras e natural, sem intervenções desnecessárias. Estávamos preocupados com a hotelaria, em ter que dividir quarto com muitas mamães, mas por fim decidimos que em nome de uma parto da maneira que sonhávamos, sem intervenções, sendo respeitados em nossas vontades, valeria a pena passar alguns dias sem o papai por perto e com outras mamães no quarto.
Mesmo assim, continuei freqüentando meu GO. No dia 11, com 38 semanas completas, foi meu primeiro exame de toque, que não doeu, mas sangrou bastante... O médico disse que eu não tinha nada de dilatação, mas que a Isa estava encaixada. Ainda perguntei se ele não tinha uma previsão... ele disse que não.
Voltei para casa pensando que ela demoraria muito.... Mas para minha surpresa, quando foi 4:30 da tarde, levantei do computador e uma aguinha saiu... não foi muito, mas todas as vezes que levantava saía...
Conversei com a Renata, minha doula, pelo MSN e estávamos na dúvida... Mas depois de algum tempo, começaram umas cólicas fraquinhas, sem ritmo... Depois de uma hora, começaram a ficar mais fortes e mais ritimadas... Meu marido, que havia falado comigo pelo telefone chegou e comemos alguma coisinha... mas já não conseguia parar para comer...
Eu e R. fomos para o chuveiro, enquanto a Renata estava a caminho... Acho que no chuveiro, comecei a gritar, foi a forma que encontrei de extravasar... Pensei que não gritaria, mas foi puro instinto... Depois que a Renata chegou, começamos a fazer vários movimentos e várias posições para aliviar as dores, na bola, na cama com travesseiros, caminhando... abraçando e caminhando com o R.
Devo fazer um adendo aqui e falar que o R. estava calmíssimo, fazia todas as massagens, me dava força e a cada contração falava que a Isa estava chegando...aí eu completava: vem minha filha, vem que a gente tá te esperando! A Renata ajudou muito com algumas massagens, posicionamentos e dicas para aliviar as dores... É muito bom ter uma doula para te acompanhar! Como a dor na hora que vinham as contrações estavam punk, falei a besteira: ' agora sei porque muitas mulheres pedem a cesárea' ... logo ela e o R. me falaram que eu estava indo muito bem e que tava tudo certo! Me senti bem idiota nessa hora, hehehe! Voltando ao TP, quando deu 10:30 da noite eu falei: 'gente, vamos para o hospital'...porque eu já tava com vontade de fazer força... Mas os dois ponderavam, será que não é muito cedo? O TP pode estacionar no hospital... eu também tinha esse medo, mas tinha algo que me falava que estava na hora mesmo...essa vontade de fazer força incontrolável era o maior indício... Chegando no hospital, fomos para a triagem e para nossa surpresa, já estava com 10 de dilatação...Tiveram que me levar de maca e correndo para a sala do cócoras. Cheguei e me posicionei, aí a médica falou que podia fazer força...mas como meu marido ainda não tinha chegado, falei que iria esperar por ele...Sorte que ele chegou e a Renata também.
Comecei a fazer as forças e o pessoal ficava falando : força, força, força o tempo todo... Aí o R., que estava atrás de mim falava: só faz a a força quando tiver contração... Achei tão lindo o fato dele estar calmo e bem consciente de tudo o que tínhamos aprendido! Aí falavam: faz muita força, que tá saindo... Ele: faz com calma para não machucar muito o períneo!!!
Estava fazendo a força um pouco mais curta e por isso, a cabecinha não saiu toda... aí me pediram para sentir os cabelinos dela... nossa, aí sim eu comecei a me empenhar... mas estava ficando um pouco cansada do cócoras... quando me ofereceram para reclinar na cadeira e relaxar as pernas nas barras de apoio. Nessa hora veio uma contração e a cabecinha saiu... Na próxima, a Isa nasceu todinha!
Nossa, que coisa mais surreal... aquele bebê que era uma imagem, meio que parte de sua imaginação, se materializa na sua frente, chorandinho, resmungando, toda branquinha. O fruto de uma amor tão bonito, materializado em uma pessoinha!!! Aquilo foi tudo!!! A dor??? Nessa hora,não tinha dor... Aliás, as contrações foram mais doídas que o expulsivo...o expulsivo era pura concentração na força... A dor em parte é que que você projeta nela... se é sofrimento, vai ser mais doído, sofrido... se é uma dor que está te direcionando para o bem mais precioso da sua vida, que Deus te confiou, aí você sabe que ela tem um propósito!
Depois que ela nasceu, pesando 3,450kg e medindo 49, 5 cm , com apgar 10/10, ninguém a puxou correndo para aspirar e fazer procedimentos. Ela foi direto para o meu peito se aquecer e depois mamar...O R., que nunca imaginou na vida em fazer isso, cortou o cordão umbilical. Ela ficou quase uma hora comigo, enquanto esperavam a placenta sair e depois me darem dois pontinhos de uma laceração de primeiro grau que tive...
Queria voltar para o quarto andando,mas isso não me deixaram... Mas estava me sentindo bem, apesar da perda de sangue. O R. ficou acompanhando amarradão as medidas e pesagem dela e ele está apaixonado pela linda, assim como eu.
Minha Isa é calminha, dorme e mama muito e agora anda aprontando algumas de fazer cocô e xixi bem na hora da troca de fraldas... Ela é a alegria da nossa vida e uma Bênção de Deus!
O parto foi sem intervenção nenhuma, nem tricotomia, nem lavagem intestinal, nem episiotomia, nem analgesia e foi maravilhoso! Foi muito bom ter ido ao CAISM para poder ter sido respeitada em todas as nossas vontades e que o parto ocorresse de acordo com nossas convicções.
Fica meu agradecimento ao meu marido maravilhoso, que pariu junto comigo, me deu calma e força necessárias para as forças... Amo-o ainda mais depois desse dia maravilhoso! A Renata, minha doula, que foi muito querida e me ajudou muito a trazer a Isabela na noite de seu aniversário...agradeço muito também. Também desejo que todas, independente da forma como for o trabalho de parto e parto sintam a emoção maior do encontro com o filho, que é a sensação mais maravilhosa do mundo. Desculpem mais uma vez pelo relato enorme... mas eu não falo pouco, hehehe."
L.
Mãe da Isa de 20 dias.


1 comentários:

Carla Beatriz disse...

Que relato de parto mais lindo e comovente! Que sirva de exemplo para outras mulheres!!!

Parabéns para essa mãe, pai e doula!!!

Beijos mil