Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2008

Cesariana "abre" sete camadas no corpo da mulher

da Folha Online As mulheres que têm filhos por meio de intervenção cirúrgica sofrem cortes em sete camadas de tecido. Para a passagem do bebê, a cesariana tradicional "abre" pele, gordura, fáscia muscular (lâmina de tecido em que se fixa o músculo), músculo, peritônio parietal (sob o músculo), peritônio visceral (sobre a parede do útero) e o útero.Clique na imagem para aumentar!
*Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u418900.shtml


Gravidez gera transformações em todo o corpo

Clique nas imagens para aumentar!













































*Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u410790.shtml

As necessidades básicas da parturiente

Algumas condições externas que devem ser respeitadas para o bom procedimento de um parto ativo. Um parto normal acontece sozinho, guiado pelo próprio corpo. Rompimento da bolsa, dilatações, contrações são ações involuntárias do corpo, que acontecem devido a informações enviadas pelo cérebro. E como o cérebro envia informações ao corpo? Através dos hormônios. O trabalho, portanto, pode ser compreendido fisiologicamente como uma cadeia sutil de hormônios, que vão acionando um ao outro e conduzindo ao parto/nascimento. Quem comanda todo esse processo é a estrutura primitiva do cérebro, chamada de “sistema límbico” e composta pelo hipotálamo e hipófise. São as estruturas que temos em comum com os cérebros de todos os outros mamíferos. Durante o trabalho de parto, como em qualquer outra experiência sexual, as inibições que podem acontecer no processo provêm da outra parte do cérebro, a mais moderna, denominada córtex ou neo-córtex. Muito desenvolvida nos seres humanos, essa part…

Projeto Cidadão - Grupo do Caism apóia o parto natural

Equipe formada por médico, anestesista, psicóloga e doula orienta gestantes e pais em todas as etapas do nascimentoAna Beatriz Zogaib
ESPECIAL PARA AGÊNCIA ANHANGÜERA
ana.zogaib@rac.com.br

Felicidade e euforia. Por outro lado, ansiedade e insegurança. A chegada de futuras mamães à reunião do Grupo de Parto Alternativo, em Campinas, é marcada por uma mistura de sentimentos que retrata o orgulho pelo que elas carregam no ventre e a preocupação com os cuidados que devem tomar pelos próximos meses. O tempo mostra, pouco a pouco, mudanças no corpo que tornam evidentes a mudança de vida que está por vir e as gestantes, cientes disso, buscam uma gravidez tranqüila e dar à luz da forma mais natural possível. Elas têm o apoio das doulas, voluntárias que as apóiam durante a gestação, o parto e o pós-parto, doando suporte físico, emocional e psicológico.

O grupo, que atua no Centro de Atenção Integral à Mulher (Caism), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), incentiva o part…

O nascimento da grávida

Texto de Sandra Ebisawa, doula e escritora

"Escrever sobre esse tema é como entrar num túnel do tempo. Lembro-me dos meus partos e dos partos que tive a honra de presenciar. Lembro-me de tudo o que aprendi com o “nascimento da gravidez” em meu ser e em meu corpo e no das mulheres que encontrei. Sinto como se a natureza humana insistisse em se perpetuar, apesar de nós, apesar das guerras e das tantas discórdias que somos obrigadas a conviver em nosso cotidiano. As mulheres continuam parindo e desejando um mundo melhor para viver com seus amores. Sempre que estou em um grupo de mulheres, noto que basta uma mulher começar a falar sobre sua gravidez e parto, para que todas as outras participem e interajam naturalmente. Os nossos ventres são cúmplices entre si. Quando estamos dentro desse universo, falando de nossos ventres e rebentos, não há discórdia, ficamos todas do mesmo lado. As mulheres adoram falar de sua gravidez, de seu parto e de seus filhos… Precisam passar isso para as mulhe…

Gestação após 35 anos

Idade materna, paridade e classe social são fatores que influenciam a mãe e o feto durante a gestação. O aumento da idade materna está relacionado ao declínio da fertilidade, havendo normalmente uma redução da mesma após os 30 anos. De acordo com a American Society for Reproductive Medicine, aproximadamente 1/3 das mulheres entre 35 e 39 anos e 2/3 das mulheres acima de 40 anos apresentam dificuldade para engravidar, sendo a maioria dos casos de infertilidade tratados com sucesso. A despeito desta dificuldade, há maior taxa de gemelidade entre 35 e 39 anos segundo a literatura. Vários estudos já foram feitos visando avaliar o impacto da idade materna na saúde do binômio mãe-feto. Os dados publicados sobre o risco associado à gestação em mulheres com idade avançada são inconsistentes. Não há consenso em relação à idade a partir da qual há aumento do risco para a gestação. Os limites, inferior e superior, de idade materna que podem representar risco para a mãe e para o feto variam com o …

No parto como no sexo...

Para compreender o parto sob uma ótica diferente daquela médica, é preciso associá-lo à sexualidade.
Muitas mulheres pedem socorro porque têm medo do parto, estão assustadas com o que ouviram e viram em hospitais públicos, novelas, e fofocas perinatais que sempre pipocam. A abordagem ao parto não poderá mudar se permanecer no terreno médico. Por isso não é suficiente dizer que o parto é fisiológico; apesar disto ser pura verdade, não constitui a alavanca para transformar a postura interior da mulher. Se, ao invéz, pensarmos que o parto é como uma relação sexual, podemos usar a metáfora da sexualidade para compreender melhor as exigências que um parto demanda. O parto, cumprimento de um processo que se originou numa relação sexual, conserva com esta a mesma essência. Vamos então ver qual é esta.

Para que uma relação sexual seja prazerosa você precisa de:
- no mínimo, gostar do parceiro e ele gostar de você;
- sentir-se segura e à vontade;
- sentir-se respeitada;
- estar concentrada;
- estar r…

O parto ativo

O conceito de Parto Ativo foi desenvolvido pela educadora perinatal Janet Balaskas, na Inglaterra. Parto Ativo significa que a mulher é quem faz o seu bebê nascer. Não é o médico quem faz o parto. Não é a parteira quem faz o parto. É a mulher, seu corpo, sua mente e sua alma. Claro que não existe Parto Ativo sem uma equipe que aceite neutralizar sua participação em favor do protagonismo da gestante. Portanto para um parto verdadeiramente ativo é necessário uma mulher ativa, um acompanhante (o pai do bebê ou outro por ela escolhido), um bebê e alguém que fique ao lado apenas verificando se tudo está bem, sem intervir no processo natural do nascimento. O corpo da mulher já vem preparado para o parto, e até mesmo mulheres em coma conseguem ter partos normais. Sedentárias, ginastas, ativas, magras, gordas, altas ou magras, todas as mulheres têm a capacidade inata de permitir que o bebê viva, se desenvolva e nasça através de seu corpo. No entanto o parto é um processo dinâmico,…

Brasil livre da Rubéola

*Fonte: http://www.brasillivredarubeola.com.br/

Direitos de Mães e Gestantes

Direitos legais das gestantes e mães

Ao descobrir-se grávida, muitas vezes a mulher se sente temerosa de perder seu emprego e outros benefícios de que dispunha antes de engravidar.

Para garantir a mulher que não possa ser demitida, a legislação em nosso país lhe dá garantia de emprego desde a data de confirmação de sua gravidez até 5 meses após o parto, a não ser casos de demissão por justa causa ou quando a iniciativa de demissão partir da própria mulher.

No caso de mulheres contratadas para serviço temporário, não existe a obrigação do empregador de continuar com ela após o período da Licença Maternidade.

A Licença Maternidade confere a mãe o direito de 120 dias de licença a partir do nascimento do bebê, garantido o pagamento mensal e integral de seu salário. Eventualmente a mulher poderá iniciar sua licença a partir do 8º mês de gravidez, se for constatado que seu trabalho, de alguma forma, pode vir a prejudicar sua saúde, ou a de seu bebê.

Durante o período de amamentaçã…

Oito formas de mudar o mundo: Meta 5

Melhorar a saúde materna

Nos países pobres e em desenvolvimento, as carências no campo da saúde reprodutiva levam a que a cada 48 partos uma mãe morra. A redução dramática da mortalidade materna é um objetivo que não será alcançado a não ser no contexto da promoção integral da saúde das mulheres em idade reprodutiva. A presença de pessoal qualificado na hora do parto será, portanto, o reflexo do desenvolvimento de sistemas integrados de saúde pública.

Exemplos de possíveis ações empresariais e associativas com o poder público, ONGs, grupos representativos locais e fornecedores

Apoio a iniciativas comunitárias de atendimento à gestante (pré e pós-parto) e melhoria da saúde materna, fixas e ambulantes; Programas de apoio à saúde da mulher, facilitando acesso a informações sobre planejamento familiar, DST, prevenção do câncer de mama, gestação de risco, nutrição da mulher e do bebê.

*Fonte: Nós podemos

Indicações de desneCESÁREAS

Como todos sabem, atualmente o índice de cesáreas superou as expectativas até mesmo da Organização Mundial da Saúde. Há muitos motivos para o excesso de cirurgias e um dos principais é a MÁ INDICAÇÃO!! Hoje em dia qualquer coisa é motivo para a cesárea e como sou altamente contra a realização desse procedimento sem a REAL indicação, vou fazer uma lista de diversos "motivos" que levam mulheres NORMAIS com gestações NORMAIS a serem submetidas a uma desneCesárea(eletiva).
Essa lista foi feita com base na experiência da Dra. Melania Amorim, obstetra humanizadíssima, e foi divulgada em uma comunidade do Orkut e agora resolvi trazer pra cá!!
Então... vamos lá:


"INDICAÇÕES" DAS DESNECESÁREAS

1. Circular de cordão, uma, duas ou três “voltas” (campeoníssima – essa conta com a cumplicidade dos ultra-sonografistas e o diagnóstico do número de voltas é absolutamente nebuloso)
2. Pressão alta
3. Pressão baixa
4. Bebê que não encaixa antes do trabalho de parto
5. Diagnóstico de …