Pular para o conteúdo principal

No parto como no sexo...

Para compreender o parto sob uma ótica diferente daquela médica, é preciso associá-lo à sexualidade.
Muitas mulheres pedem socorro porque têm medo do parto, estão assustadas com o que ouviram e viram em hospitais públicos, novelas, e fofocas perinatais que sempre pipocam. A abordagem ao parto não poderá mudar se permanecer no terreno médico. Por isso não é suficiente dizer que o parto é fisiológico; apesar disto ser pura verdade, não constitui a alavanca para transformar a postura interior da mulher. Se, ao invéz, pensarmos que o parto é como uma relação sexual, podemos usar a metáfora da sexualidade para compreender melhor as exigências que um parto demanda. O parto, cumprimento de um processo que se originou numa relação sexual, conserva com esta a mesma essência. Vamos então ver qual é esta.

Para que uma relação sexual seja prazerosa você precisa de:
- no mínimo, gostar do parceiro e ele gostar de você;
- sentir-se segura e à vontade;
- sentir-se respeitada;
- estar concentrada;
- estar relaxada (física e mentalmente)
- sentir-se livre para expressar o que sente, quer e pensa;
- estar com tesão!
- ter intimidade e privacidade;
- ter tempo à vontade;
- ter algum conhecimento sobre sexualidade e reprodução;
- estar bem com você mesma (não estar angustiada com outras coisas ou se estiver conseguir ir além disso);
- estar, enfim, inteiramente presente.


O mesmo vale para o parto:
- você precisa sentir-se aceita e acolhida pelas pessoas que estão à sua volta;
- precisa se sentir segura (saber que nada de estranho, esquisito e perigoso irá acontecer);
- sentir-se respeitada;
- estar concentrada;
- estar relaxada (deixar acontecer);
- sentir-se livre para expressar o que sente, quer e pensa; ser livre para levantar, andar, virar, agachar, calar, gritar, cantar, deitar, beber...;
- estar em trabalho de parto!
- ter intimidade e privacidade;
- ter tempo à vontade;
- ter algum conhecimento sobre trabalho de parto e parto;
- estar de bem com você mesma;
- estar assim presente ao teu parto, inteira.


Uma relação sexual em que você é passiva e não ativa não pode ser prazerosa. Assim um parto em que você é somente uma paciente não vai ser satisfador. Você sofre violência numa relação sexual quando você é coibida a fazer ou deixar fazer o que você não quer, não escolheu e não consentiu em fazer. Todas as vezes em que não somos protagonistas dos episódios da nossa vida, eles se apresentam como ameaçadores, temos medo, nos sentimos à mercê e enrijecemos na tensão. No parto a falta de informação e de reciprocidade transforma a experiência num ato de violência, ou numa péssima lembrança. Uma mulher-objeto (da ação do médico) não pode abrir-se, se não à força; somente uma mulher ativa pode fazer o ato de dar à luz.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…