Pular para o conteúdo principal

Projeto Cidadão - Grupo do Caism apóia o parto natural

Equipe formada por médico, anestesista, psicóloga e doula orienta gestantes e pais em todas as etapas do nascimento

Ana Beatriz Zogaib
ESPECIAL PARA AGÊNCIA ANHANGÜERA
ana.zogaib@rac.com.br

Felicidade e euforia. Por outro lado, ansiedade e insegurança. A chegada de futuras mamães à reunião do Grupo de Parto Alternativo, em Campinas, é marcada por uma mistura de sentimentos que retrata o orgulho pelo que elas carregam no ventre e a preocupação com os cuidados que devem tomar pelos próximos meses. O tempo mostra, pouco a pouco, mudanças no corpo que tornam evidentes a mudança de vida que está por vir e as gestantes, cientes disso, buscam uma gravidez tranqüila e dar à luz da forma mais natural possível. Elas têm o apoio das doulas, voluntárias que as apóiam durante a gestação, o parto e o pós-parto, doando suporte físico, emocional e psicológico.

O grupo, que atua no Centro de Atenção Integral à Mulher (Caism), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), incentiva o parto normal há quase 30 anos preparando e acompanhando gratuitamente gestantes atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e também as conveniadas, desde que não tenham gravidez de alto risco. Muitas, como a engenheira de alimentos Marcela Gandara, abrem mão do conforto do atendimento pago para ter o filho no hospital com o apoio da ação. “Sempre quis fazer parto normal e, no convênio, existe um empurrômetro para a cesárea, uma idéia errada de que ela é mais segura”, explica Marcela que estava grávida de nove semanas quando aderiu à iniciativa.

Marcela afirma que deseja ter esclarecimento para que possa ter uma postura ativa no nascimento do filho. “A gente fica grávida e passa um monte de coisa na cabeça, mas se você tem conhecimento, pode ter poder de decisão”, diz. Ela é apoiada pelo marido, o engenheiro Irineu Gandara, que também diz precisar de orientação para cumprir o papel de pai. “Somos marinheiros de primeira viagem e eu quero participar de tudo”, conta.

A socióloga Mariana Delgado Rezzaghi foi recebida pelo grupo na reta final da gravidez, com 34 semanas. Ela afirma que o médico que a acompanhava pelo plano de saúde já estava propondo a cesárea, mas que sua preferência pelo parto normal falou mais alto. “Vim com medo de cair numa cirurgia desnecessária”, diz. A administradora Mara Federici se antecipou e procurou o projeto alternativo na décima oitava semana de gestação. “Quero poder ter escolha e a primeira é o parto natural”, enfatiza.

O trabalho com as gestantes é realizado por quatro voluntários dispostos a mostrar que a mãe natureza sabe o que faz: o obstetra Hugo Sabatino, o anestesista Franklin Braga, a psicóloga Silvia Nogueira Cordeiro e a doula Lucia Caldeyro, além de profissionais da área de saúde que desejam realizar estágio no grupo e que são recebidos e acompanhados pela equipe por um ano. Atualmente, são seis estagiárias. O objetivo é ajudar as mulheres a conseguir ter um parto natural sem que precise de anestesia ou de outras intervenções quando essas não são necessárias. “Temos que ensinar a mulher a enfrentar a dor e sair favorecida”, explica Sabatino, médico obstetra coordenador do grupo. Para alcançar a meta, os profissionais se reúnem com as participantes duas vezes por semana e alternam o trabalho de conscientização pela informação com a prática de exercícios específicos que ajudam a prepará-las para o dia tão esperado.


Grupo já realizou 2 mil nascimentos de cócoras

O Grupo de Parto Alternativo surgiu em 1980 a partir de um projeto de pesquisa desenvolvido pelo obstetra Hugo Sabatino, que percebeu reivindicações de pacientes do Caism em relação ao atendimento do parto normal. O médico explica que a ação visa à humanização do parto, ou seja, respeitar a natureza e não causar uma violência desnecessária à mulher, no caso, uma cesárea sem justificativas médicas. Segundo ele, a cirurgia aumenta em sete vezes o risco de morte da paciente.

O parto de cócoras (posição em que a gestante fica agachada em posição vertical) é o principal meio apontado para alcançar tal objetivo. Uma cadeira que facilita o procedimento foi adquirida pelo Caism e os médicos que atendem no local estão instruídos a atender parturientes que queiram ter o bebê dessa forma. Em 28 anos de existência, a iniciativa conseguiu que fossem realizados mais de 2 mil partos de cócoras.

Mas, para Sabatino, é preciso acatar a opção de cada mulher. O obstetra explica que o grupo estimula três pilares, um deles, o respeito aos costumes regionais e individuais do casal. O respeito aos processos fisiológicos da mulher também é levado em consideração, o que, segundo ele, pode ser exemplificado pela opção de deixar a parturiente em posição vertical, comprovadamente a melhor para o parto normal. Outro aspecto considerado importante é o trabalho multidisciplinar com a participação de diferentes profissionais, como obstetra, anestesista, enfermeira e doula, na sala de parto. (ABZ/AAN)

País faz 15% mais cesáreas que o recomendado pela OMS

A cesariana representa 43% dos partos realizados no Brasil no setor público e no privado, número bem acima dos 15% recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). No Sistema Único de Saúde (SUS), as cesáreas somam 26% do total de nascimentos e nos planos de saúde, o percentual é maior, cerca de 80%. Os números são de 2006 e foram revelados em pesquisa encomendada pelo Ministério da Saúde. O ministério lançou em maio deste ano a Campanha Incentivo ao Parto Normal, que será veiculada até dezembro. A iniciativa tem o intuito de diminuir a incidência das cirurgias, sensibilizando gestantes e também profissionais de saúde, já que um dos aspectos identificados pelo governo para o aumento das cesáreas é a preferência médica devido ao menor tempo de assistência necessária. O Ministério ressalta que no parto cirúrgico há uma separação abrupta e precoce entre mãe e filho, num momento primordial para o estabelecimento de vínculo, além de destacar que o parto normal é o mais seguro para a parturiente e o bebê. De acordo o governo, é comprovado que fetos nascidos entre 36 e 38 semanas, antes do período normal de gestação (de 40 semanas), têm 120 vezes mais chances de desenvolver problemas respiratórios agudos e, muitas vezes, precisam de internação em unidades de cuidados intermediários intensivos. Para as mães, o parto cirúrgico significa mais chances de hemorragia, infecção no pós-parto e recuperação difícil. (ABZ/AAN)

SAIBA MAIS

O Grupo de Parto Alternativo atua no Caism, na Unicamp, com o objetivo de incentivar o parto natural. Profissionais voluntários preparam e prestam assistência às gestantes durante a gestação, o parto e o pós-parto. As doulas acompanham todo o processo, com suporte físico, emocional e psicológico. No parto, sugerem medidas naturais que atenuam a dor e diminuem a ansiedade.
Endereço: Caism, Cidade Universitária, segundas e quartas-feiras, das 19h30 às 21h.
Telefone: (19) 3521-9461
E-mail: silvianc2000@hotmail.com


Doula, a amiga sempre presente da boa hora

Costume de antigamente é reinventado para resgatar o lado humano de dar à luz

Doula, em grego, significa “mulher que serve”. Atualmente, a palavra é utilizada para se referir a mulheres especializadas no acompanhamento da gestante, antes, durante e depois do parto. Elas ajudam a futura mamãe a se preparar física e psicologicamente para dar à luz, colaboram para o conforto físico durante o nascimento, além de incentivar a participação do pai do bebê durante todo o processo.

A idéia é que, se antigamente, com o parto realizado pela parteira em casa, a gestante era acompanhada por mulheres mais experientes, como a própria mãe, irmãs ou vizinhas, hoje, com o procedimento nos hospitais, o acompanhamento pode ser feito pelas doulas. Na sala de cirurgia, elas não executam nenhum procedimento médico e, sim, ajudam a parturiente a encontrar a melhor posição para o trabalho de parto, mostram formas de respiração e sugerem medidas naturais que atenuem a dor das contrações e diminuam a ansiedade, como banhos e massagens.

Na opinião do médico Hugo Sabatino, a atuação das doulas é fundamental. “Elas se ocupam das partes física e psicológica da parturiente, compreendem e acompanham a mesma”, afirma. No entanto, o médico não esconde que ainda há pouco espaço para as profissionais. “Apesar de existirem evidências científicas de que elas diminuem a complexidade do parto, há lugares que não aceitam sua presença”, conta.

Segundo Lucia Caldeyro, doula há 25 anos e coordenadora do trabalho das estagiárias no Grupo de Parto Alternativo, o segredo do parto é a gestante se sentir confiante e tranqüila. “A mulher não precisaria de preparo para dar à luz, pois é algo natural, mas, se ela está estressada, tensa e insegura, o corpo não se abre”, explica. Para ela, é importante fortalecer a responsabilidade da mulher e do marido durante o nascimento, estimular uma postura ativa de ambos desde a gravidez.

Lucia conta que o interesse pelo parto teve influência familiar. “Começou com meu pai, médico que pesquisava o assunto”, conta a filha de Roberto Caldeyro Barcia, médico uruguaio que desenvolveu métodos de registro das contrações do útero na gestação e da freqüência cardíaca fetal. A profissional diz que o parto normal e sem dor do filho caçula foi mais um incentivo para se tornar doula, o que aconteceu nos anos 80, quando o termo ainda não era utilizado e não existiam cursos de especialização. “Decidi ajudar outras mulheres e fui buscando recursos, fiz curso de massagem e psicodrama”, diz ela, que é formada em pedagogia e hoje é vice-presidente da Associação Nacional de Doulas (Ando), entidade que ajudou a fundar no ano de 2003.

A bióloga e professora Flávia Fuchs de Jesus teve a primeira filha, Ariela, há cinco meses, com o acompanhamento de Lucia. A bióloga procurou o grupo de Parto Alternativo aos quatro meses de gestação porque queria um parto de cócoras. Mesmo tendo que realizar a cesárea, ela afirma que a contribuição da doula foi importante. “O preparo para aprender a relaxar na dor foi essencial. Antes de fazer cesárea, tive dilatação total sem anestesia graças a essa conscientização, lembrava de usar o que aprendi”, afirma. Flávia conta que permaneceu em casa durante boa parte do trabalho de parto, junto à profissional, que a ajudou a manter a calma e orientou o marido sobre como colaborar. Segundo a bióloga, outro benefício da parceria foi o entendimento sobre o recém-nascido e a importância da amamentação na primeira hora. “Passei a valorizar o contato imediato com o neném mais do que o próprio parto”, explica.

Para a psicóloga Lara Heller Gordon, que há um ano faz estágio como doula, uma das missões de seu trabalho é proporcionar o “empodeiramento” da parturiente, mostrar que ela pode e deve controlar a situação. Segundo Lara, é possível perceber que o principal medo das gestantes é em relação à dor, que pode ser superada com a ajuda das doulas. “Quando tem uma pessoa que está acompanhando a mulher e vendo suas necessidades, ela pode até sentir dor, mas nem pensa em anestesia”, exemplifica. (ABZ/AAN)


Comentários

Andréia Doula disse…
Linda!!!
Sucesso pra vc... e sempre conte comigo!
Déia

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…