Pular para o conteúdo principal

Parto cesáreo está associado a rinite alérgica e atopia na infância


Nova York – Pesquisadores americanos relataram que o parto cesáreo parece aumentar a chance de crianças desenvolverem rinite alérgica e atopia — mas não asma — entre crianças cujos pais apresentavam história de alergia ou asma.

O Dr. Juan C. Celedon, da Harvard Medical School de Boston, e seus colaboradores relataram no número de agosto do Journal of Allergy and Clinical Immunology que, “até onde sabemos, este é o primeiro estudo prospectivo de coorte de nascimentos sobre a relação entre o nascimento por parto cesáreo e as doenças alérgicas entre crianças em idade escolar, com risco elevado de atopia”.

O estudo avaliou 432 crianças que foram acompanhadas desde o nascimento até os 9 anos de idade. Um ou ambos os pais tinham história de alergia ou asma. O diagnóstico clínico de asma e rinite alérgica era realizado por meio de entrevistas com os responsáveis, que ocorriam pelo menos duas vezes ao ano. Testes cutâneos de alergia foram solicitados em 271 crianças, aos 7,4 anos de idade, em média.

Segundo o artigo, as crianças nascidas de parto cesáreo possuíam chance 2,1 vezes maior de desenvolver atopia que seus pares nascidos de parto vaginal.

De maneira semelhante, as crianças nascidas de parto cesáreo possuíam um risco de apresentar rinite alérgica 1,8 vezes maior. Entretanto, como foi observado neste trabalho, a cesariana não aumentou o risco de asma ou broncoespasmo.

Uma vez que outros estudos detectaram que o nascimento por parto cesáreo aumenta o risco de asma, os autores consideram que o resultado negativo neste trabalho pode ser atribuível simplesmente ao limitado poder estatístico para detectar essa associação. Contudo, eles observaram que o estudo havia sido desenhado para procurar uma relação com broncoespasmo e com os sintomas principais de asma de maneira adequada.
O Dr. Celedon e seus colaboradores especularam que além da ausência de esforço pelo feto, o parto cesáreo promove uma falta de contato com a flora vaginal e fecal materna, e que ambos estes aspectos podem levar a efeitos imunológicos indiretos que induzem o surgimento da atopia.



* Fonte: J Allergy Clin Immunol 2008;122:274-279.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…