A Assistência ao Parto no Brasil

Boa noite pessoal!!!

Hoje vim até o bloguinho postar uma dica bem bacana: um livro ONLINE sobre a assistência ao parto no Brasil!!

É de autoria de Marília Largura, enfermeira obstetriz há mais de 40 anos, residente em SP e dona do site Parto Humanizado!

Para quem se interessou, o link para todos os capítulos do livro está AQUI!!


Aqui vai um trecho de um dos capítulos! Boa leitura!!!!!!!


A DOR DO PARTO

Uma realidade que não pode ser negada.

Vivemos em uma sociedade que usa todos os artifícios possíveis para fugir da dor. Ela está presente no quotidiano de milhões de pessoas, que respondem coletivamente pelo uso ilimitado de toneladas de analgésicos, uma solução estritamente química e eficaz somente a curto prazo.

A mulher, ao dar à luz, traz sua bagagem, suas experiências que tiveram início quando criança nas primeiras quedas e machucados, nas doenças próprias da infância, nas frustrações e desejos não satisfeitos. Passou por momentos de dor física e psíquica.

Quando adulta e grávida, ela deve se preparar de maneira realista para o imenso desafio que representa o trabalho de parto. Embora possa parecer louvável do ponto de vista humano, não devemos amenizar o fato com palavras substitutas como “contração” ou “desconforto”. A verdade deve ser dita para evitar que ela se descontrole no momento da dor, o que iria prejudicá-la ainda mais.

A dor aparece sempre num contexto que influencia a maneira pela qual ela nos atinge. Entre os fatores que aumentam a nossa percepção da dor, estão o medo, o estresse mental, a tensão, a fadiga, o frio, a fome, a solidão, o desamparo social e afetivo, a ignorância do que está acontecendo, um meio estranho ao que estamos habituados, e o início das contrações com dor.

Entre os fatores que reduzem nossa percepção da dor, temos o relaxamento, a confiança, uma informação correta, o contato contínuo com pessoas familiares e amigas, o fato de estar ativa, descansada e bem alimentada num meio familiar confortável e o fato de permanecer no instante presente e de viver as contrações uma a uma.



0 comentários: