Pular para o conteúdo principal

De volta à forma

Alimentação adequada e exercícios físicos moderados fazem a mãe recuperar a forma física mais rapidamente

Marta De Divitiis - O Estado de S.Paulo

Perder peso e voltar à antiga forma depois de dar à luz é bem menos complicado do que parece. Embora seja uma fase difícil, especialmente para as mães de primeira viagem, é possível sim dar conta da maternidade sem se esquecer de si mesma. Passadas as primeiras semanas, e com o consentimento do médico, a mulher já pode retomar a maior parte de suas atividades.

Segundo o ginecologista e obstetra Maurício Simões Abrão, professor da Universidade de São Paulo (USP), nos primeiros sete dias após o nascimento do bebê, a ordem geral é repousar, principalmente para as que se submeteram a uma cesareana. A partir daí, a mulher pode se movimentar no ambiente doméstico. "Após esse período, a mãe já pode voltar a dirigir e fazer caminhadas mais leves."

Atividades físicas normais só são liberadas depois de 30 (parto normal) ou 40 dias (cesárea). No entanto, o médico adverte que os exercícios devem ser realizados com muita cautela, uma vez que práticas aeróbicas intensas podem diminuir a produção de leite.

Do ponto de vista físico, a recuperação é mais lenta nos casos de cesárea. "Logo nos primeiros dias, as mulheres que tiveram um parto normal com episiotomia (cortes no períneo para facilitar a expulsão do bebê) têm uma sensibilidade maior nessa região, o que dura apenas alguns dias; já na cesareana, a sensibilidade na região do corte e as dores abdominais persistem por mais tempo", informa Abrão.

Geralmente, os pontos que são dados na episiotomia são absorvíveis, isto é, não necessitam que sejam retirados, e os cuidados locais são realizados com antissépticos. No caso de haver dor, o médico indica a aplicação de gelo ou analgésicos locais. Caso os pontos da cesárea não sejam absorvíveis, são retirados de sete a dez dias após o procedimento. Nos primeiros três a quatro dias, evita-se molhar a cicatriz e usa-se apenas antissépticos locais.

A coordenadora de natação da academia Competition, Alessandra Toassa, indica exercícios físicos mais comedidos para as mulheres que deram à luz, como a hidroginástica, que é uma prática sem impactos. Caminhadas e alongamento também são recomendados. "Mesmo quem tem uma condição física melhor necessita retomar as atividades com bastante cuidado, de forma moderada, pois o corpo ainda está sob o efeito de hormônios. Há uma maior frouxidão nos ligamentos e uma perda de força muscular", adverte. Por outro lado, Alessandra destaca que os exercícios físicos são muito importantes, pois auxiliam na prevenção da depressão pós-parto, além de melhorarem a autoestima e o bem-estar da mãe.

A assessora de imprensa Ines Gianni, de 36 anos, mãe de Valentina, de 1 ano e 5 meses, arrepende-se de ter retomado os exercícios físicos há apenas dois meses. "Como não tenho babá e trabalho em casa, fico muito envolvida com minha filha e isso fez com que me acomodasse um pouco." Voltou a correr, atividade que praticava antes de engravidar, durante uma hora por dia. "Já estava com meu peso normal, mas, com a atividade física, perdi medidas e melhorei meu condicionamento, o que é essencial, pois minha filha tem muita energia. Além da melhora na estética e saúde, enquanto corro, coloco as idéias em ordem, sinto que estou fazendo algo por mim, o que é muito saudável."

A psiquiatra Luciana Porto Cavalcante da Nóbrega, também de 36 anos, mãe de Sofia, de 1 ano e 7 meses, e de Otávio, de 3 meses, recorreu, após o primeiro parto, a exercícios em casa, com o auxílio do livro Em Forma com seu Bebê, de Mirian Clark, da Panda Books - que indica práticas para se fazer no ambiente doméstico, com uso de objetos do dia a dia, como cadeira de amamentação, pacote de fraldas, etc. No entanto, quando Sofia fez cinco meses, Luciana engravidou novamente e acabou interrompendo o programa. Hoje, três meses após o nascimento do segundo bebê e faltando apenas um quilo para voltar ao seu peso ideal, já retomou os exercícios em casa, seguindo o mesmo livro. "Gostei da proposta, porque você faz exercícios sem precisar sair e pode parar para atender o bebê, retomando-os depois."

MUITA ÁGUA

Quanto à alimentação, não convém, enquanto a mãe está amamentando, abolir o consumo de carboidratos, pois isso restringe a produção de leite. "É importante manter uma alimentação saudável, composta de frutas e vegetais, para fornecer vitaminas, minerais, fibras e água ao organismo", diz a nutricionista Beatriz Botequio. São recomendados carnes e laticínios magros, carboidratos na versão integral, gorduras saudáveis (azeite e castanhas) e muita água, pois nesse período a sede aumenta. O ideal é a mãe tomar dois copos de água enquanto amamenta seu bebê. A especialista recomenda que se evite a ingestão de álcool, que altera o odor e o sabor do leite materno, e aconselha o consumo de peixe três vezes por semana.

É interessante saber que, se a mãe retorna aos exercícios físicos nesse período, cada vez que ela se exercitar, deve esperar uma hora para amamentar, segundo Eneida Bittar, enfermeira, consultora e educadora em aleitamento materno pela Universidade de Los Angeles, na Califórnia. Isso porque o ácido lático, liberado durante a prática, altera o sabor do leite, que fica mais ácido. Além disso, a mulher deve seguir a orientação nutricional acima, uma vez que perde, diariamente, de 500 a 700 calorias, devido à produção do leite.

Na maternidade, as enfermeiras costumam ensinar as mães a amamentar e a dar banho no bebê. "Hoje, costuma-se colocar o bebê para mamar no peito da mãe logo nas primeiras horas de vida. Isso faz o organismo da mãe liberar a ocitocina, hormônio que auxilia a ejeção do leite", explica Eneida. A especialista adverte que visitas em demasia na maternidade dificultam o aprendizado da amamentação.

É normal a mãe sentir um certo desconforto nas primeira mamadas, mas, se houver dor, deve pedir orientação aos profissionais, ainda na maternidade. Vale lembrar que, entre 48 e 72 horas após o nascimento do bebê, há a chamada apojadura, um processo de endurecimento da mama, que fica mais quente e sensível à dor, sendo preparada para a drenagem do leite em volume maior. Como forma de aliviar a dor, deve-se massagear os seios em movimentos circulares várias vezes ao dia.
*Fonte: ESTADÃO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…