Pular para o conteúdo principal

Versão Cefálica Externa


Achei um documento em PDF do Yeovil District Hospital sobre a versão cefálica externa, e resolvi postá-lo aqui! E no fim há um vídeo de uma versão realizada com sucesso!!


Versão Cefálica Externa - Informação para o Paciente (Departamento da Mulher)

Antes do nascimento, a maioria dos bebés está virado de cabeça para baixo na barriga da mãe.
Quando os bebés estão virados ao contrário, diz-se que estão na posição pélvica. Isto acontece em cerca de 5% das gravidezes depois das 37 semanas. Podem desenvolver-se mais complicações se o parto do bebé for efectuado com o bebé nesta posição em relação aos bebés que estão virados de cabeça para baixo.
Foi-lhe aconselhada uma Versão Cefálica Externa, que é um processo executado para tentar virar o bebé da posição pélvica para uma posição em que esteja de cabeça para baixo. Este procedimento tornará o parto vaginal mais seguro e evitará que tenha de fazer uma cesariana por este motivo.
Para efectuar esta manobra, terá uma consulta na sala de parto depois de estar grávida de 36 semanas. O processo em si demora cerca de 15 minutos. No entanto, pode esperar estar no hospital duas horas. O sucesso desta manobra é de cerca de 60%.

Antes do processo
• Este processo é normalmente efectuado por um Médico Obstetra ou por um especialista na realização de versões cefálicas externas
• Poderá discutir qualquer preocupação que tenha sobre este processo com os funcionários presentes. Se estiver a tomar comprimidos ou outras formas de medicação, deve informar o medico
• Não deverá comer ou beber durante pelo menos 4 horas antes do processo, a menos que lhe indiquem o contrário.
Terá de assinar um formulário de consentimento antes do processo.

Durante o processo
Podemos administrar-lhe uma injecção imediatamente antes do processo, para ajudar a relaxar o útero. Iremos monitorizar a frequência cardíaca do bebé através de um monitor durante 20 a 30 minutos, para nos assegurarmos de que está normal. Se tudo estiver bem, realizaremos uma ecografia para confirmar a posição do bebé. Enquanto está deitada na cama, o obstetra irá colocar as mãos no seu abdómen, depois de aplicar pó de talco. O bebé é virado para a frente ou para trás até ficar com a cabeça para baixo. Fará então outra ecografia para confirmar a nova posição. Vamos monitorizar novamente a frequência cardíaca do bebé durante 30 a 60 minutos. Este processo pode ser desconfortável.

Depois do processo
Caso o seu sangue seja rhesus negativo, podemos ter de lhe dar uma injecção para evitar a sensibilização que pode resultar da viragem. O seu médico pode organizar outra ecografia para se assegurar de que o bebé não voltou a virar. Outra alternativa para lidar com uma posição pélvica é a seguinte:
• Pode escolher continuar com a gravidez com o bebé na posição pélvica e optar por um parto vaginal , OU
• Pode escolher fazer uma cesariana electiva

Riscos sérios ou frequentes
A versão cefálica externa é um procedimento muito seguro; no entanto, como todos os procedimentos, existe algum risco. Os principais riscos deste procedimento são:
• Em 5% dos casos, o bebé pode voltar à posição pélvica
• A manobra pode levar ao deslocamento da placenta, o que pode obrigar a um parto de emergência por cesariana
• As suas membranas podem romper e pode entrar em trabalho de parto
• Poderá causar uma perturbação imediata ou atrasada do feto, o que pode obrigar a um parto imediato.

O seu obstetra e a especialista de obstetrícia irão assegurar-se de que são tomadas todas as medidas para a redução do risco de complicações. Caso se enquadre numa das categorias apresentadas em seguida, a versão cefálica externa não é uma opção para si:
1. Se a placenta estiver localizada na parte inferior do útero (Placenta Prévia)
2. Se já lhe rebentaram as águas
3. Se a frequência cardíaca do bebé mostrar que pode estar em sofrimento
4. Se tiver tido hemorragias nos últimos 7 dias
5. Se tiver alguma anomalia uterina significativa
6. Se estiver grávida de gémeos
7. Se já fez uma cesariana no passado


Processo para virar o bebé







Comentários

Anônimo disse…
Obrigada pela excelente explicaçao!

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…