Pular para o conteúdo principal

Absorvente e sexo podem evitar endometriose

Estudo, cujos resultados surpreenderam os pesquisadores, sugere que as mulheres que usam absorventes internos ou fazem sexo durante a menstruação teriam menos propensão de desenvolver endometriose. A pesquisa realizada com mulheres com e sem endometriose mostrou que aquelas que usavam exclusivamente absorventes internos eram menos propensas a ter a doença. Os resultados foram similares entre mulheres que mantinham relações sexuais pelo menos às vezes durante o período menstrual.
Contudo, as descobertas apenas estabelecem uma associação entre esses comportamentos e o baixo risco de endometriose, em vez de provar que o uso de absorventes internos e sexo na menstruação podem evitar a doença. "Pode-se dizer que... (as descobertas) abrem a porta para estudos futuros", disse o médico Harvey J. Kliman, da Universidade de Yale, em New Haven, Connecticut (EUA).
Kliman, o autor sênior da pesquisa, disse à Reuters Health que as descobertas de sua equipe eram "bastante surpreendentes", levando em conta o que os pesquisadores sabem sobre o desenvolvimento da endometriose. A endometriose ocorre quando o tecido que reveste o útero (o endométrio) é encontrado fora do órgão - geralmente nos ovários e nas trompas de Falópio e quase sempre fica na região pélvica. Normalmente, o endométrio se rompe e mensalmente é eliminado durante o período menstrual.
Mas o tecido endometrial na superfície externa do útero não tem saída e a área ao redor pode ficar inflamada e inchada, frequentemente causando dor. Especialistas acreditam que o refluxo do fluido menstrual - condição chamada menstruação retrógrada - contribui para a enfermidade. Qualquer coisa que intensificar esse fluxo, incluindo absorvente interno e sexo, poderia aumentar o risco de endometriose. Com o novo estudo, Kliman declarou que "estávamos absolutamente convencidos de que sexo durante a menstruação seria algo ruim".
Mas na pesquisa, realizada com mais de 2 mil mulheres, os cientistas verificaram o contrário. Ao perguntar às participantes sobre a atividade sexual, as mulheres com endometriose foram menos propensas a responder que faziam "às vezes" ou "com frequência" durante a menstruação, comparadas àquelas sem a condição. Elas também tendiam mais a "nunca" ou "raramente" fazer sexo nesse período, segundo os resultados publicados na edição de junho da revista Gynecologic and Obstetrical Investigation. A mesma situação foi observada quando as mulheres foram questionadas especificamente sobre orgasmo durante o ato sexual.
Os autores sugerem que ter um orgasmo na menstruação pode proteger contra a endometriose ao intensificar as contrações uterinas que expelem o fluxo menstrual. Em relação ao uso de absorventes internos, conhecidos como tampões, poucas mulheres com endometriose relataram usar exclusivamente esse tipo de absorvente atualmente e no passado- menos de 12 por cento, comparadas aos 21 por cento das mulheres saudáveis. As que usavam os absorventes convencionais tinham mais que o dobro do risco de endometriose, mostrou o estudo.
A indicação de um efeito protetor dos absorventes internos "realmente nos surpreendeu", afirmou Kliman. Ele ressaltou, como explicação para essa ligação, que os absorventes internos podem ajudar a puxar os "resquícios" durante a menstruação, em vez de obstruir sua saída. Contudo, se os absorventes internos podem evitar a endometriose ainda não está claro. Além disso, o estudo se baseou na lembrança da mulher de seu histórico menstrual e sexual. E como os sintomas da endometriose incluem relação sexual e menstruação dolorosos, as aquelas com a condição podem evitar as relações sexuais durante a menstruação.
Mesmo assim, Kliman apontou que a pesquisa perguntou às mulheres sobre seu comportamento ao longo dos anos reprodutivos. Além do efeito protetor, Kliman afirmou que as descobertas devem ajudar a "livrar-se do medo" de que os absorventes internos contribuem para a doença. Ele disse que alguns especulavam que esse tipo de absorvente - que até a metade da década de 80 continha dioxina - pode promover a endometriose. "Isso (estudo) me faz pensar que os absorventes internos certamente não levam à endometriose", destacou o pesquisador. "Acredito que posso dizer com certeza."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…