Conduta e Ética da Doula

Por Mara Freire  

Atuar como doula é algo que requer muita responsabilidade, amor e respeito ao mais profundo sentimento da mulher.




A doula também muitas vezes acompanha e orienta no pós-parto e aleitamento, nos cuidados com o recém-nascido; às vezes, nas próprias tarefas domésticas ou apenas só ouvindo o desabafo da mulher. A doula dá apoio e acolhimento, evitando assim que muitas mulheres tenham depressão pós-parto, situação que muitas vezes torna-se um agravante na vida não só delas como de toda a sua família, trazendo muito sofrimento a todos, principalmente ao bebê.

A doula deve ter convicção de tudo o que é preciso fazer, para que neste momento tão importante da vida de uma mulher, ela possa passar segurança, firmeza e muito carinho.

È necessário que a doula estude bastante e tenha conhecimento de como agir em várias situações, inclusive em casos de emergência, providenciando ajuda especializada, para evitar assim que a vida e saúde dessa gestante e seu bebê sejam postas em risco.

Muitos obstáculos, às vezes, impedem o trabalho de uma doula, entretanto quando esse trabalho é feito com firmeza e dedicação certamente consegue superá-los. Assim, após os vários partos em que auxiliei, dos vários bebês que recebi em meus braços no momento grandioso do nascimento, tenho a certeza que minha missão neste mundo realmente é ser o que sou... “DOULA”! E assim para cada sorriso de uma mãe com seu bebê no peito, agradecidas, realizadas como mulher e como mãe, plenas em terem vivido sua gestação e parto de forma digna e humanizada, eu agradeço à Deus por ter me dado este dom que contribuiu para este resultado.

Após 25 anos de experiência em acompanhamento de partos, posso dizer que não há uma regra a seguir, não há formulas. O melhor caminho é sempre o diálogo franco e aberto. A gestante deve expressar seus desejos e sentimentos que precisam ser respeitados e acatados, jamais contestados.

Cabe à doula ser o mais “invisível” possível, cumprindo seu papel de estar ao lado, apoiar, acolher, sem interferir nas decisões de sua cliente ou da equipe multidisciplinar (médico, parteiras, enfermeiras, outras). É importante deixar a natureza da mulher falar e agir. O corpo com seu instinto é a melhor voz a ser seguida.

Contudo, há vários estudos que comprovam que certas posições proporcionam vários benefícios à mulher e ao bebê. Assin sendo, cabe-nós orientar e proporcionar informações durante a gestação ou mesmo na hora do parto, ensinando algumas técnicas e posições que podem contribuir para um melhor bem estar (físico, emocional e fisiológico), para um melhor posicionamento do bebê. O objetivo é permitir que o corpo reaja de uma forma positiva, proporcionando um parto saudável e tranqüilo.

Nossa missão é de orientar e mostrar possíveis caminhos a serem seguidos, mas a decisão final cabe somente à mulher. A posição da doula é a de ouvir, mais do que falar. Ele deve tranqüilizar, mais do que conflitar.

Hoje existem muitas técnicas de preparo para a gestação e parto, através de exercícios físicos, respiratórios e massagens (yoga, pilates, hidroginástica e outros). Junto ao condicionamento psicológico e emocional, esta preparação dá à gestante condições para o conhecimento de seu corpo, do funcionamento de seu organismo, do processo fisiológico e das mudanças emocionais e relacionais que possam ocorrer. Com isso, melhora a postura, há mais disposição para enfrentar os desafios que possam vir a surgir.


Condutas

Existem algumas condutas a serem seguidas pelas doulas, de modo que ela saiba o que pode fazer e o que não deve fazer com sua cliente e equipe multidisciplinar. Incluem também suas responsabilidades para com a gestante que a contrata.

Devemos sempre agir:

•    Com muita responsabilidade, comparecendo sempre nas visitas marcadas, informando a grávida com indicações de leituras, sites, profissionais adequados a qualquer situação anormal, que não seja da competência do atendimento da doula;
•    Propor um plano de parto para que assim já se estabeleça uma parceria e um melhor preparo sobre como agir na hora do parto;
•    Se possível estabelecer um contato com o profissional responsável pelo parto, para que esse possa já se familiarizar com a doula e assim estabelecer um bom convívio;
•    Se colocar á disposição da família e da equipe médica, para qualquer necessidade seja de comunicação ou outras;
•    Sempre estar ao lado da gestante para tudo que ela precisar, apoiando-a em tudo e em todas suas decisões.

Nunca devemos fazer:

•    Realizar tarefas medicas como aferir pressão arterial, verificar os batimentos cardíacos fetais, toques vaginais e outros;
•    Tomar decisões pela cliente, podendo sim coletar informações necessárias para o auxilio da cliente, para que essa possa fazer suas escolhas com consciência. Poderá também lembrá-la quanto  ao seu plano de parto, se houver divergências;
•    Jamais falar com a equipe médica em nome da cliente ou no lugar dela, com relação ao que diz respeito á decisões que estejam sendo tomadas ou á possíveis outras;
•    Nunca tomar atitudes por conta própria, ou intervir em procedimentos e decisões seja de sua cliente, família ou equipe de saúde.

Falha no oferecimento de serviços:

•    A doula deverá fazer todo possível para atender ao parto. Entretanto pode acontecer disso ser impossível, em geral devido à rapidez do parto). Nesse caso, a falha do atendimento é de responsabilidade da  doula e não deverá ser feita nenhuma cobrança monetária dos seus serviços. Caso tenha recebido prévio adiantamento, este deverá ser reembolsado.
•    Por outro lado, se devido a circunstancias que fujam ao controle da doula ou se por um acaso a cliente falhe ao localizá-la à tempo, a parcela já paga não deverá ser devolvida e nada mais deverá ser pago.


Ética

Como em qualquer outra profissão as doulas devem agir com ética profissional sempre. Essa conduta é seguida em todos os países.
Podemos considerá-las como:

•    Integridade pessoal, moral e profissional, mostrando-se uma pessoa idônea;
•    Dedicar-se em constante aperfeiçoamento de seus estudos, mantendo-se sempre informada e com isso mantendo sua qualidade de atendimento profissional e no exercício de suas funções;
•    Priorizar os interesses de sua cliente, respeitando sempre suas possíveis escolhas, prestando toda assistência de forma que sua experiência de parto seja a melhor possível;
•    Respeitar sempre a privacidade de suas clientes, agindo sempre de forma sigilosa em relação a qualquer informação ou conversa que tenham durante seu acompanhamento;
•    Orientar o encaminhamento de sua cliente á serviços ou profissionais adequados em possível situação que estejam fora de sua área de atuação;
•    Sempre manter a seriedade e cumprir com todos os compromissos firmados com sua cliente;
•    Doulas profissionais devem oferecer honorários justos e ponderados, jamais deixando de cumprir com seu papel de apoiar e ajudar, caso surja alguma dificuldade econômica de sua cliente. Estabelecendo uma  forma que essa  possa cumprir  com o acordo feito.
•    Deve haver respeito no tratamento com suas colegas de trabalho, jamais invadindo suas clientelas ou difamando seus serviços profissionais;
•    Respeitar os outros profissionais multidisciplinares envolvidos no parto, não invadir seu espaço de atuação e muito menos criticá-los quanto suas atuações;
•    Deve ter consciência no que compete à exatidão da atuação e a partir daí manter a integridade da profissão;
•    Se prestar serviço voluntário, que o faça com amor e por amor sem esperar ou cobrar retorno seja financeiro ou reconhecimento de qualquer espécie;
•    Objetivar sempre o bem-estar geral de sua cliente gestante e do bebê, estendendo esse cuidado aos demais familiares, oferecendo informações na medicado possível, esclarecendo sobre o estado de saúde da parturiente e da criança, e tranqüilizando assim a todos;
•    Ser leal e apoiar incondicionalmente a gestante sem tecer criticas ou querer fazer prevalecer sua opinião. Cuidar dela com amor, deixando-a livre para se descobrir forte e empoderada em sua capacidade feminina de parir.

Mara Freire é doula, mãe e avó. Vive no Estado de São Paulo. É colaboradora da ONG Amigas do Parto e formadora em seus cursos online. Email de contato: marafreir@gmail.com

0 comentários: