Pular para o conteúdo principal

Parto Anormal

Repassando um texto quentinho e ótimo do blog Mamãe Cintia!



O que a gente tem hoje nas maternidades é uma crueldade e violência sexual institucionalizada, não são partos.

Você chega, e é obrigada a tirar sua roupa para usar uma camisola que deixa sua bunda de fora - afinal, sua bunda é pública e você não se importa se todos os desconhecidos virem suas celulites! Você vai de cadeira de rodas como se fosse uma inválida para a sala de pré-parto: não importa se todas as mulheres sabem que a dor da contração é terrível sentada numa cadeira e pior ainda deitada. Raspam seus pêlos pubianos e fazem lavagem intestinal para provar que podem fazer o que quiser com seu corpo.

Você deixou todos os seus pertences, óculos, sapatos. Afinal, seus germes devem ser terríveis, e a roupa do hospital te salvará. Umas três pessoas diferentes já mexeram na suas partes baixas. Você será impedida de comer ou beber até o bebê nascer (umas 12 horas, mais ou menos), mesmo que haja recomendações da OMS do contrário.

Você será convencida a ficar deitada numa maca, com as pernas abertas para qualquer médico que passar por ali enfiar os dedos em você: afinal, sua vagina é um vaso de água benta, né. Você fica sozinha, já que afinal você tem que ser forte e aguentar a dor e a vulnerabilidade do parto sem acompanhante. Não pode gritar, gemer, soluçar, sob penas de ouvir que 'na hora de fazer estava bom' ou 'teve filho porque quis'. Olhares de desprezo das enfermeiras, porque houve 'sujeira' e frescura. O parto é teu castigo por ser pobre, por ser mulher, por estar grávida.

E vem o 'sorinho' e ruptura artificial da bolsa, sem uma indicação clara. O soro que trás contrações fortíssimas, doloridíssimas. 'Mãezinha, não levanta senão seu bebê pode morrer'. Tem um monitor de batimentos cardíacos na sua barriga verificando o tempo todo se o seu filho não morreu ainda, porque o útero é muito perigoso. Você não é dona de seu corpo, os médicos decidem para você qual a posição que seu corpo tem que ficar e que procedimentos sem indicação médica você tem que passar. Tua vagina, teu útero não te pertencem.

Ah, mas eles podem dar a solução para a dor. Eles enfiam uma agulha na sua coluna com analgésico. E você agradece, né, porque afinal AS CONTRAÇÕES que doem. Não foi a humilhação de ter sido manipulada por um sem-número de mãos, de ter sido destratada, de não ter solidariedade, de não ter carinho. O soro, ficar deitada não tem nada a ver, né!

Uma hora eles DECIDEM que você deve empurrar - é, deitada e AMARRADA, com as pernas bem abertas para qualquer um passar atrás e ver. Sim, porque o médico tem mais poder do que seu útero, ele que decide a hora que seu corpo deve trabalhar. (Pense em evacuar deitada. Com todos olhando e falando 'mais força. mais. mais força'.) Mas não tem problema, porque ele vai colocar mais soro, algum médico/enfermeira vai empurrar a sua barriga como se você fosse uma pasta de dente, e ah! o médico vai cortar a sua vagina com uma tesoura sem te avisar. Se você ainda não fizer a força do jeito que eles querem, eles arrancam a criança com o forceps. Deixam vc ficar com ela uns 5 minutos, e te devolvem depois de umas 6 horas.

Agora, pense que você está num ambiente sem parentes, amedrontada. Fragilizada como se estivesse na maior TPM adolê do mundo (vezes 500). Apavorada com as mulheres gritando e sendo tratadas como cadelas. Um parto frank.

Compare com ficar em casa. No silêncio ou com seu CD preferido. Dançando, dormindo, de pé, na bola, na banheira ou no chuveiro - o tempo que você quiser, na posição que quiser, pelada ou com suas roupas. Com pessoas que demonstram confiança, que sabem que você é uma mulher poderosa, que está parindo. Pessoas que te admiram. O médico/parteira pede seu consentimento para cada vez que faz toque ou escuta o coração. Você recebe massagens se quiser, na sua cama, no seu banheiro, na sua sala. Sua comida, sua roupa, sua música, seu marido, seu cachorro.

Você pode gritar, você pode xingar, pode chorar. E todos vão lhe apoiar, pois sabem que o parto é um trabalho.
O parto é seu, o corpo é seu, o filho é seu, as outras pessoas estão ali só para lhe dar apoio.

Tem como comparar?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…