Pular para o conteúdo principal

Por quê parir SEM anestesia?

Esse texto, retirado do blog Mamíferas - Mãe, mulher e tudo mais, vai ser postado especialmente para a anônima que comentou um post antigo e que não entende as mulheres que optam pelo parto natural com dor!
É o que eu digo... a dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional!!




Quando eu digo por aí que planejei dois partos domiciliares, sempre recebo olhares de espanto e incredulidade. Há uma pergunta que quase sempre se repete: "mas em casa, dá pra tomar anestesia??".

Acho engraçado ser essa a primeira coisa que vem à cabeça das pessoas. Certamente são ranços daquela visão tão deturpada do ato de parir, reforçada em filmes, novelas, cenas e mais cenas de mulheres dando à luz sempre descabeladas e desesperadas, com muitos gritos e muito sofrimento.

Quando digo que não, que não é possível tomar anestesia ao parir em casa, mas que a idéia era essa mesma, ou seja, parir naturalmente, sem remédios e sem intervenções, quase todos arregalam os olhos e comentam: "nossa, que coragem!!". Eu sorrio por dentro, acho curioso o raciocínio. Porque pra mim, é preciso coragem muito maior para se deixar submeter a uma cirurgia de médio porte, para deixar que lhe cortem sete camadas de tecido para tirar o bebê. Tudo isso, claro, quando não há necessidade.

Na maioria das vezes, um pouco de conversa revela que a grande maioria das pessoas não entende por que, afinal, em pleno século XXI, mulheres optam por parir sem anestesia. Para que abrir mão de uma facilidade? Se é possível dar à luz sem sofrer, por que não?

Acho que muitas vezes, as pessoas têm dificuldades para compreender que há uma enorme diferença entre dor e sofrimento. Parir dói, sim. Mas não é sofrido. Pelo menos, não precisa ser.

Eu escolhi parir sem anestesia porque para mim, o momento do nascimento das minhas filhas seria uma experiência única, especial, e eu queria vivê-la intensamente. Eu queria estar consciente, alerta, queria ser ativa no meu parto, não passiva. Não queria que na hora P os médicos precisassem me dizer como e quando fazer força. Queria que o processo estivesse nas minhas mãos, e não nas mãos de outros.

Também queria estar absolutamente consciente, presente, no primeiro encontro com as minhas filhas. Não queria que nosso primeiro contato olho no olho fosse sob efeito de medicamentos que me tirassem o foco, a energia e a presença.

Outro fator que me fez optar por parir sem anestesia foi saber que qualquer medicamento que eu tomasse durante o trabalho de parto seria absorvido pelo corpinho delas, também. Eu não queria que elas chegassem ao mundo já sob efeito de substâncias químicas, 'dopadas por tabela'.

Eu também sabia que, durante o trabalho de parto, o uso da anestesia pode ser a porta de entrada para o que costumamos chamar "cascata de intervenções": muitas vezes, quando aplicada a anestesia, o trabalho de parto passa a caminhar mais vagarosamente, ou até mesmo estaciona. Isso leva à aplicação de ocitocina para acelerar as contrações e fazer com que o trabalho de parto entre novamente em bom ritmo. A aplicação de ocitocina transforma as contrações, antes suportáveis, em verdadeira tortura chinesa, pois a dor é intensificada, e o ritmo já não é aquele natural, ditado pelo nosso corpo, com o qual vamos aprendendo a lidar aos poucos. Com isso, a parturiente se exaure mais rapidamente, e o final dessa história já sabemos como será: cesárea, cesárea, cesárea.

Além disso, pulsava dentro de mim um desejo pessoal, muito particular, e também por ele fiz as opções que fiz. Trazer minhas filhas ao mundo era algo que eu desejava e sabia que podia fazer por mim mesma, sem ajuda, sem deixar que fizessem por mim. Parir, para mim, também foi de certa forma uma jornada de auto-conhecimento, de superação: eu queria descobrir a força que tinha, queria saber do que era capaz.

A escolha pelo parto sem anestesia, portanto, tinha pra mim esses significados: eu queria parir ativamente, queria estar alerta e consciente para vivenciar o momento, queria estar presente e inteira para receber minhas crias nos braços, não queria tornar-me vítima da falta de controle sobre o processo, e queria conhecer minha própria força, saber até onde eu poderia chegar, sem nenhum 'empurrãozinho' no meio do caminho.

E vocês, como escolheram parir? Optaram pelo parto com ou sem anestesia? Por quê?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…