Pular para o conteúdo principal

Estudo: Cordão curto permite PN

Repassando um abstract enviado pela Dra. Melania Amorim pra derrubar mais um mito gestacional...
 
Tradução xexelenta do Google:

OBJETIVO: Determinar se o menor comprimento do cordão umbilical irá permitir o parto vaginal espontâneo.

MÉTODOS: Este estudo prospectivo, observacional incluídas 166 mulheres escolhidas aleatoriamente, sem complicações anteparto aparente que entregaram espontaneamente ou além de 37 semanas. O cordão foi preso no intróito materno logo após o parto. O segmento do cordão foi mensurada a partir de intróito à inserção placentária. Revisamos uma varredura recente fetal para identificar o local de implantação da placenta (uterina ou lateral).

RESULTADOS: A média do segmento de cabo de inserção na placenta materna intróito para medir 22,4 centímetros (95% CI 11-32). O segmento foi de 2,1 cm maior (95% CI 0,4-3,7) quando a placenta foi implantado no fundo da cavidade uterina, em vez de lateral (p <0,01, teste t de um lado). Um segmento de cordão excessivamente curtos (<13 cm) esteve presente em dois casos (1,2%) com a implantação da placenta lateral. Não houve casos de implantação uterina com um cabo excessivamente curtos.

CONCLUSÃO: O eixo uterino e o canal de parto não são longos o suficiente para impedir o parto vaginal espontâneo na presença de um cordão curto. A localização placentária não impede o parto, exceto talvez quando é fúndica na presença de um cordão excessivamente curto.


Original: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18441729

Comentários

Oi Rê...obrigada pelas dicas, estou precisando mesmo! e quanto as dores nas costas, nossas, elas me seguem desde a descoberta da gravidez rs...Bjão Deus abençõe.

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…