Pular para o conteúdo principal

Profissionais ajudam brasileiras no momento do parto

Doula é a profissional que tranquiliza a mãe neste momento tão importante.

Quando chega a hora ter o filho, a mãe fica cercada de carinho e cuidados. É o pai da criança dando apoio e o obstetra pronto para trazer a criança ao mundo. Mas existe alguém de fundamental importância neste processo. Ela é chamada de doula, profissional encarregada de prestar apoio à mãe pré e pós parto. Em Danbury, Connecticut, duas brasileiras atuam na função.

Segundo a Associação Nacional de Doulas (ANDO) – Regional Rio de Janeiro, após uma década de pesquisas científicas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e alguns países, incluído o Brasil, reconhecem a contribuição da doula. Na presença dela, o parto tem mais rapidez e tranquilidade, e as complicações tanto maternas quanto fetais são bem menores. A palavra doula vem do grego “mulher que serve”.

No ramo há 10 anos, Regina Colletes já atendeu muitas brasileiras quando atuava como doula particular. No hospital local há cerca de quatro anos, ela ressaltou que o parto é uma das coisas mais sagradas. “Quando você tem alguém que dá apoio, a satisfação é maior”, disse.

Segundo ela, está comprovado que o trabalho da doula reduz imensamente a depressão pós-parto, aumenta o laço entre a mãe e o bebê e o aleitamento materno tem mais sucesso, quando a mãe sente que tem apoio. Ainda segundo ela, o preparo no período antes do parto é de suma importância.

O primeiro parto de Andréa dos Santos teve o auxílio de Regina. Segundo ela, sem a presença da doula teria sido muito difícil. “É um conforto a mais”, disse. A brasileira sentiu como se tivesse a própria mãe, quando Regina segurou a mão dela. Já no segundo parto, Andréa teve a presença de Cleo. Foi um parto um pouco mais complicado, segundo ela, mas que com certeza se tornou mais leve, graças à presença da doula.

“Ajuda demais”, disse Lívia Vieira, sobre o trabalho da doula. O parto difícil se tornou mais leve graças às técnicas aplicadas, como a de respiração, segundo a brasileira. Se optar pelo segundo filho, Lívia disse que utilizará novamente os serviços de uma doula.

Desde outubro de 2009, Cleo Brostel tem classes para se tornar uma doula. As aulas são ministradas por uma instrutora certificada da Dona International, organização sem fins lucrativos que treina doulas. De tanto atuar em partos como voluntária, a brasileira foi incentivada por médicos a estudar a função.

Espécie de estagiária, Cleo explicou que a função da doula é de prestar apoio psicológico e emocional às mães, aplicando técnicas de relaxamento e massagem. “A doula acompanha a mãe desde as primeiras etapas do parto até o nascimento do bebê”, disse. Como doula, ela já atendeu oito brasileiras no hospital local. Segundo ela, as parturientes não conheciam a função. “A reação delas foi fantástica”.

De acordo com Cleo, não existe forma da doula diminuir a dor. O que ela faz é aplicar técnicas para que esta dor seja amenizada. O ambiente precisa estar totalmente silencioso ou preenchido por uma música relaxante.

Segundo a Dona Internacional, está comprovado que a doula diminui intervenções como a cesariana e aumenta a satisfação maternal. Ainda conforme a organização, o trabalho da doula age também sobre os bebês. Na presença da profissional, existe mais chance de um bebê não ficar no hospital sob cuidados especiais.

O contato de Cleo com as mães começa com cerca de três entrevistas antes mesmo do parto. No caso das brasileiras, ela decidiu acompanhá-las nas últimas visitas ao médico, a fim de obter o maior número possível de informações sobre a gravidez. Assim, as técnicas da doula poderão ser aplicadas com melhores resultados. Cleo lembrou que a doula não aplica procedimentos médicos. “Não checa a paciente, não aplica anestesia, não mede a pressão”. Segundo Cleo, que ainda está estudando para atuar como doula no pós-parto, este trabalho é importante inclusive para o desenvolvimento do bebê.

Ainda segundo a ANDO, a demanda por doulas no Brasil vem crescendo de forma significativa. Estima-se que existam de 10 a 12 mil doulas na América do Norte, ainda segundo a associação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…