Pular para o conteúdo principal

Lei torna o uso da cadeirinha de segurança obrigatório em todo o país

Além de evitar a multa, veja outras seis vantagens que a instalação do acessório oferece 


Dirigir com criança no carro é um sufoco. Elas não param quietas, resmungam, tiram a atenção do motorista, além de exercitarem ao máximo a curiosidade mexendo e remexendo nas peças do carro. A solução mais simples contra toda essa euforia, antes optativa, agora ganha ares de lei: a instalação da cadeirinha de segurança acaba de se tornar obrigatória para crianças com até sete anos e meio, por determinação do Conselho Nacional de Trânsito.A multa aos infratores, atualmente calculada em R$ 191,54, só começa a ser aplicada em 2010, assim como os sete pontos na carteira. Mas quem corre para lá e para cá com os pequenos a bordo não deveria adiar o uso da proteção. No Brasil, mais de 2 mil crianças e adolescentes morrem, anualmente, em acidentes de carro. E mais 38 mil sofrem lesões irreversíveis em alguns casos.

Estimativas internacionais indicam que a cadeira infantil, quando instalada e usada adequadamente, reduz os riscos de morte em 71% e a necessidade de hospitalização em 69% dos casos. Os dados são do Insurance Institute for Highway Safety, entidade americana que faz pesquisas voltadas à prevenção de acidentes de trânsito.

Atualmente, três modelos do acessório estão disponíveis: bebê conforto (espécie de moisés, indicado para bebês com até treze quilos); a cadeira de segurança propriamente dita (acolchoada e com cinto de segurança especial) e os chamados boosters (apoios de banco, que deixam a criança na altura ideal para uso do cinto embutido carro).

Mas se as estatísticas não são suficientes para convencer você a adotar o aparato, veja abaixo os seis motivos que Mario Monte Alto, especialista em segurança infantil, lista a favor da cadeirinha. Pense neles enquanto a multa não entra em vigor.

1. Conforto: os assentos dos carros não foram pensados para as crianças menores. As cadeirinhas contam com uma estrutura rígida e acolchoada, deixando a criança mais bem acomodada, além de segura.

2. Tranqüilidade: pais de recém-nascidos nem sempre dispõem de companhia para olhar o bebê enquanto dirigem. O bebê-conforto acomoda com segurança crianças de até 13 quilos. Preso firmemente ao banco, ele impede impactos quando o carro é obrigado a atravessar obstáculos, como buracos ou lombadas, evitando choro.

3. Proteção: as crianças acima de três anos são muito curiosas e, não raro, sapecas. Ficam só à espera de uma oportunidade para vasculharem no que estiver pela frente. A trava do cinto, com aquele botão vermelho, é um convite à traquinagem. Por isso, o cinto das cadeirinhas é adaptado: a trava exige uma pressão e força maior por parte de um adulto ou criança mais velha para soltá-la.

4. Atenção: com as crianças devidamente acomodadas, o motorista fica em paz para dirigir com a atenção que a situação exige. Não vai haver mãozinhas agitadas mostrando coisas ao papai ou à mamãe, muito menos brigas entre os irmãos pequenos.

5. Acordo de paz: o drama é comum entre crianças com pouca diferença de idade. Elas brigam à toa e não perdem uma oportunidade para fazer pirraça. Um adulto que esteja com atenção voltada a outra coisa é um sonho! Com duas cadeirinhas instaladas (número máximo num carro de passeio simples), as chances de confusão desaparecem.

6. Incidentes: além dos perigos do trânsito, o próprio carro pode render surpresas desagradáveis. O freio de mão é pontiagudo demais, o cinzeiro pode prender os dedinhos, sem esquecer as peças pequenas, uma atração à parte para as crianças, que podem querer levá-los à boca e se sufocar.

*Fonte: Minha Vida

Quer aprender a colocar a cadeirinha corretamente??? Assista o vídeo abaixo!!

Comentários

Renatinha disse…
Olha Rê aqui é mais que obrigatório, é questão etnica. Até quando alguém aluga um carro eles já oferecem a cadeira pra quem tem cç. Tava na hora do Brasil adotar essa medida. bju

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…