Plano de Parto..

O plano de parto é uma lista de intenções e desejos em que a grávida explica o modo com que ela quer ser atendida e o seu bebê recebido.
Muitas gestantes procuram modelos de plano de parto e a internet está cheia de modelos e aqui no blog teremos mais dois. Mas melhor do que seguir um exemplo é escrever o SEU próprio plano de parto, com SUAS PALAVRAS, listando tudo que é importante para VOCÊ!
Não há o certo e o errado. Há o que é melhor pra você e seu bebê. Simples assim!!
Inicialmente, coloque seu nome, nome do bebê, sua DPP, nome e telefone do médico/enfermeira obstetra responsável, local em que será o parto. Depois liste como gostaria que você e seu bebê fossem atendidos desde em casa até o hospital (caso seja hospitalar o seu parto). Também comente sobre manobras e procedimentos aceitos ou não. É importante que antes de listar sobre manobras e procedimentos você se informe, leia, estude evidências e entenda cada uma. Inclusive, você pode citar de onde você tirou sua opção por determinada conduta.
Coloque informações que considere importantes sobre seus hábitos, crenças, valores para que a equipe envolvida te conheça melhor e possa prover melhor assistência.
Discuta as opções com a equipe e caso o parto seja hospitalar, tente protocolar o plano de parto por lá e/ou no cartório.

DICA: Antes disso, leia esses dois posts do blog Dádádá:
Como estabelecer um diálogo com o hospital que vai te atender no parto?
Modelo de Notificação Extrajudicial para protocolo de Plano de Parto


Abaixo seguem dois modelos de plano de parto, um hospitalar e um domiciliar. Note que as opções descritas referem-se ao que as gestantes escolheram para ELAS E OS BEBÊS DELAS e pode ser que o que elas listaram não seja uma opção viável e desejada para VOCÊ! Por isso novamente, insisto: escreva o SEU plano de parto, do SEU JEITO! 

Beijos 


PLANO DE PARTO HOSPITALAR

Nome dos pais:
Nome do bebê:
Data provável do parto:
Nome do médico:
Doula:
Hospital:

Considerando o art. 1º, III e o art. 5º, II da CF/88 e o Capítulo I, I; Capítulo III, art. 14; Capítulo IV, arts 22 e 24 e Capítulo V, art. 31 do Código de Ética Médica. Resolução 1931/2009.
A gestante e seu esposo acima identificados vêm respeitosamente à equipe hospitalar pedir para que o Plano de Parto, abaixo elaborado pelos mesmos, possa ser seguido e seus desejos respeitados durante o processo de trabalho de parto, parto e pós-parto imediato de seu bebê, bem como com os cuidados com o Bebê e os desejos em relação a uma possível cesárea.
O presente plano de parto tem como fundamentação os seguintes documentos emitidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS ou WHO):
- “SAUDE SEXUAL E REPRODUTIVA - Guias para a ATENÇÃO CONTINUADA da Mulher e do Recém-nascido focalizadas na APS” - Publicação Científica Centro Latino-Americano de Perinatologia (CLAP/SMR) 2010.
- “Pregnancy, childbirth, postpartum and newborn care: a guide for essential practice” – World Health Organization (WHO) 2006.

“Manejo conservador do parto: é a forma de assistir o parto deixando-o evolucionar em forma natural sem intervenções injustificadas” – OMS
“A assistência conservadora do parto normal objetiva:
• Monitorar sua evolução;
• Não interferir com aspectos fisiológicos e psicológicos, evitando manobras desnecessárias;
• Promover a participação ativa da mãe e do membro do grupo familiar que a acompanha;
• Promover contato precoce mãe-filho” – OMS

Termos Gerais
1. Cientes de que se trata de processos dinâmicos cuja normalidade possa ser alterada a qualquer momento e não podendo, o plano de parto, ser seguido, requer-se que os genitores sejam previamente avisados e consultados dos procedimentos e das alternativas existentes.
2. O marido da gestante, NOME DO MARIDO , deverá ter acesso irrestrito à gestante, sendo inclusive o acompanhante no período de trabalho parto, parto e pós-parto imediato permitido pela Lei Federal 11.108/2005.
3. Estando a equipe hospitalar em comum acordo é do desejo da gestante que a sua doula possa acompanhá-la, confortando-a nos aspectos físicos e emocionais. Tal acompanhamento é amplamente recomendado e justificado pelo GUIAS PARA A ATENÇÃO CONTINUADA DA MULHER E DO RECÉM NASCIDO FOCALIZADAS NA APS, trabalho realizado pela CLAP/SMR, organismo da OPAS/OMS.

Do Trabalho de parto (Período de dilatação ou primeiro período)
1. Pede-se pela NÃO realização de TRICOTOMIA (raspagem dos pelos pubianos);
2. Pede-se pela NÃO realização de ENEMAS (lavagem intestinal);
3. Pede-se pela NÃO realização de perfusão continua de soro e/ou fármacos;
4. Pede-se pela NÃO realização da aplicação de OCITOCINA ou drogas de efeito similar;
5. Pede-se pela NÃO realização de AMNIOTOMIA e especificamente que NÃO se realize a ruptura artificial da bolsa; devendo ser respeitado o tempo do Bebê para nascer e consequentemente aguardar o rompimento espontâneo da bolsa.
6. Pede-se pelo NÃO oferecimento de ANESTÉSICOS ou ANALGÉSICOS, a gestante se resguarda a pedir no momento em que achar oportuno; bem como requer que a mesma tenha liberdade e prioridade para realizar métodos alternativos para controlar a dor (massagem, banho quente, liberdade de posição, apoio psico-afetivo). (pág. 180 do Guia para a Atenção Continuada da Mulher e do Recém Nascido, CLAP, pág. D6 do Pregnancy, Childbirth, Postpartum and Newborn Care: a Guide for essential Practice, OMS);
7. REQUER que os exames de toque, quando necessários, sejam realizados em número mínimo, de preferência pela mesma pessoa e com o máximo cuidado para que não se rompa nenhuma membrana (pág. 161 e 162 Guia para a Atenção Continuada da Mulher e do Recém Nascido, CLAP);
8. REQUER liberdade para a ingestão livre de LÍQUIDOS;
9. REQUER liberdade para a ingestão de ALIMENTOS;
10. REQUER pela liberdade de escolha de POSIÇÕES;
11. REQUER pela possibilidade de CAMINHAR;
12. REQUER pelo uso de ÁGUA QUENTE para aliviar a dor, sendo possível;
13. REQUER pela priorização da posição VERTICAL (pág. 158 e 159 Guia para a Atenção Continuada da Mulher e do Recém Nascido, CLAP)

Do parto (período de expulsão ou segundo período)
Ambiente: pede-se que seja um ambiente de MEIA-LUZ, PENUMBRA, que o AR CONDICIONADO seja DESLIGADO, que sejam evitadas correntes de ar frio, que haja SILÊNCIO, enfim, que o Bebê nasça em ambiente ACOLHEDOR, QUENTE, CALMO, TRANQUILO E SILENCIOSO.
1. Exige-se pela NÃO realização da MANOBRA DE KRISTELLER ou qualquer outra manobra que envolva PRESSÃO CONSTANTE NA PARTE SUPERIOR DO ÚTERO; não será tolerado que a barriga seja empurrada para baixo;
2. Pede-se pela NÃO realização de EPISIOTOMIA, no CASO DE NECESSIDADE, que a mesma seja médio-lateral. Tal procedimento não deverá ser uma intervenção de rotina;
3. REQUER pela escolha da posição de CÓCORAS ou CÓCORAS SUSTENTADA; a posição de litotomia e a ginecológica clássica são desaconselhadas pela OMS (pág. 171 Guia para a Atenção Continuada da Mulher e do Recém Nascido, CLAP);
4. Pede-se pelo NÃO oferecimento de ANESTÉSICOS ou ANALGÉSICOS, pede pelo NÃO uso de ANALGÉSICOS a partir dos 5 cm de dilatação; bem como requer que a mesma tenha liberdade e prioridade para realizar métodos alternativos para controlar a dor (massagem, banho quente, liberdade de posição, apoio psico-afetivo). Em caso de necessidade do uso de fármacos sedativos, que os mesmos sejam ministrados em dose mínima e que a gestante e seu acompanhante sejam informados sobre os efeitos e possíveis riscos que o mesmo oferece;
5. Se possível, REQUER que o PERÍNEO seja APARADO na fase de expulsão;
6. REQUER que o médico obstetra conduza as etapas de realização de força avisando a gestante o momento certo de realizar força durante as contrações;
7. Se possível, REQUER que o pai possa recepcionar o Bebê;
8. Ao nascer, REQUER que o Bebê seja colocado IMEDIATAMENTE em contato pele-a-pele com a mãe, PROMOVENDO e RESPEITANDO o VÍNCULO precoce mãe-filho;
9. REQUER pelo ALEITAMENTO MATERNO de livre demanda;
10. REQUER que o CLAMPEAMENTO do CORDÃO UMBILICAL ocorra somente quando este PARAR de PULSAR (pág. 178 do Guia para a Atenção Continuada da Mulher e do Recém Nascido, CLAP);
11. REQUER que o PAI CORTE o CORDÃO UMBILICAL;

Pós-parto imediato (dequitação e pós dequitação ou terceiro período) 
1. Pede-se que NÃO sejam realizadas manobras de ASPIRAÇÃO da via aérea alta no Bebê, bem como não aspirar o líquido amniótico existente na cavidade nasofaríngea, o mesmo será reabsorvido naturalmente por mecanismos fisiológicos. No caso do líquido amniótico ser meconial, “se a respiração ESPONTÂNEA ocorreu antes da aspiração não é necessária realizá-la”. (pág.178 e 201 do Guia para a Atenção Continuada da Mulher e do Recém Nascido, CLAP);
2. Pede-se que NÃO sejam administrados NITRATO DE PRATA ou antibióticos oftálmicos;
3. REQUER que a administração de VITAMINA K seja por VIA ORAL, onde os pais se comprometem a dar continuidade nas doses;
4. REQUER que se aguarde a EXPULSÃO ESPONTÂNEA da PLACENTA, NÃO realizar tração do cordão, manobras, nem o uso de drogas útero tônicas.

Pós-parto e cuidados com o Bebê
1. Dentro do possível, REQUER que o PAI e/ou a MÃE possam dar banho no Bebê;
2. Poder realizar ALEITAMENTO MATERNO com LIVRE DEMANDA;
3. Pede-se para que em NENHUMA HIPOTESE seja oferecido outro tipo de alimento que não o leite materno, tais como água glicosada, leite em pó ou outras fórmulas. Nem que sejam oferecidos bicos, mamadeiras ou qualquer outro objeto ao Bebê;
4. Sendo possível, REQUER alojamento conjunto 24h, não devendo haver separação entre mãe e Bebê a fim de fortalecer esse vínculo e sendo bem-vindas as orientações da equipe hospitalar no que tange os cuidados com o Bebê;

CASO A CESÁRIA SEJA NECESSÁRIA
1. O acompanhante será o marido da gestante NOME DO MARIDO , devendo o mesmo estar presente em todas as etapas do procedimento do nascimento;
2. REQUER que o TRABALHO DE PARTO se inicie antes de se efetuar a cesárea;
3. REQUER que a gestante e o pai sejam informados de todos os procedimentos de forma clara e elucidativa, bem como sejam avisados de eventuais riscos;
4. Se necessária a TRICOTOMIA, que seja PARCIAL;
5. REQUER ANESTESIA RAQUIDIANA, sem sedação em momento algum;
6. REQUER a possibilidade de ASSISTIR ao nascimento;
7. REQUER que no momento do nascimento luzes e ruídos fossem reduzidos e a temperatura ambiente mais aquecida;
8. REQUER que logo após o nascimento, o Bebê, entre em contato PELE-A-PELE COM A MÃE, que as MÃOS da mesma estejam LIVRES para poder segurá-lo e que o mesmo possa ser AMAMENTADO o quanto antes, ainda que na mesa de cirurgia;
9. PEDE que NÃO sejam ministrados SEDATIVOS PÓS-OPERATÓRIOS.

AGRADECEMOS DESDE JÁ A COMPREENSÃO E RESPEITO DA EQUIPE ENVOLVIDA EM TORNAR ESSE MOMENTO TÃO IMPORTANTE E ESPECIAL PARA NÓS, GENITORES.

ATENCIOSAMENTE,

NOME DA MÃE

NOME DO MARIDO

DATA



PLANO DE PARTO DOMICILIAR

Nome dos pais:
Nome do bebê:
Data provável do parto:
Parteiras:
Doulas:

A gestante e seu esposo acima identificados desde já agradecem à equipe de parto pela disposição, carinho e acompanhamento neste momento tão importante e especial. Que Deus nos acompanhe nessa caminhada!!!

1. Cientes de que se trata de processos dinâmicos cuja normalidade possa ser alterada a qualquer momento e não podendo, o plano de parto, ser seguido, requer-se que os genitores sejam previamente avisados e consultados dos procedimentos e das alternativas existentes.
2. Assim que o trabalho de parto começar somente as pessoas envolvidas no parto e as pessoas residentes da casa é que serão avisadas do mesmo, evitando constantes telefonemas e mensagens, mantendo assim, o silêncio e a concentração da parturiente.
3. Se possível telefones da casa desligados e telefone celular do marido confiscado.
4. Participantes desejados (obrigatoriamente presentes!!!): minha mãe e marido

Desejos em relação à ALIMENTAÇÃO e HIDRATAÇÃO: 
1. À vontade: açaí, frutas (salada de frutas melhor ainda), sorvete, Bis, sucrilhos, inhame cozido sem tempero, ou sagu com frutas.
2. À vontade: suco de frutas, chás (verde, Harrod’s, capim santo, mate), tereré com limão, Coca-Cola gelada, Gatorade, água, água de côco;
Não me dar: gengibre, pimenta, leite; laranja; kiwi; gelatina comum; qualquer alimento com conservante, corante e aromatizantes artificiais; chá de saquinho;

Desejos em relação ao PARTO:
Ambiente – Pouca luz, penumbra; silêncio; ambiente sem correntes de vento; temperatura mais pra quente; isolar piso frio; música provavelmente não, mas vai saber...
Posição de cócoras ou cócoras sustentada;
Que as enfermeiras obstetras indiquem o momento certo de fazer força;
Que o períneo seja aparado e que se faça o possível para evitar lacerações (tenho grande aflição com suturas);
Que o pai possa recepcionar a Bebê;
Clampeamento do cordão umbilical somente quando este parar de pulsar e que o pai possa cortá-lo
Assim que a Bebê nascer que seja colocado no peito da mãe em contato pele-a-pele;
Que se auxilie a mãe a amamentar a Bebê, nem que seja apenas para que se realize o movimento de sucção;
Realizar o mínimo de intervenção na  Bebê, não gostaria que ela ficasse sob efeitos de medicamentos, antibióticos ou demais fármacos;
Obs. Se o trabalho de parto parar de evoluir e depois de esgotadas as técnicas de relaxamento, tentar a acupuntura

Em caso de emergência ou transferência hospitalar:
A transferência será para o hospital xxxxxxxxx;
GOSTARIA MUITO QUE A PARTEIRA E A DOULA NOS ACOMPANHASSE ATÉ O HOSPITAL;

Algumas dicas: 
Não gosto de chorar, de cochichos e de não saber o que acontece;
Sinto-me segura quando sei de antemão os processos fisiológicos, químicos e físicos do processo e dos procedimentos, enfim, preciso entender o que acontecerá para organizar tudo mentalmente e focar no trabalho a ser realizado;
Ao falar comigo seja objetivo e claro, aponte o problema e indique soluções e/ou alternativas, meu cérebro funciona como um fluxograma;
Sou sensível a cheiros, principalmente os de frutas artificiais (cheiro de gelatina), chegam a me desconcentrar;
Tem hora que barulho me incomoda, tem hora que me concentro com facilidade em qualquer ambiente (vai depender muito), acredito que na hora do trabalho de parto estarei introspectiva e concentrando para aliviar a dor.

Nossos sinceros agradecimentos à equipe, Deus as abençoe e desejamos que tudo transcorra bem.

Atenciosamente,

Nome da Mãe
Nome do Pai





0 comentários: