Pular para o conteúdo principal

Egoísmo x Abraço

Hoje estava conversando com uma moça que está grávida e ainda não decidiu nada sobre o tipo de nascimento que quer dar ao seu bebê.... mas disse que pensa na cesárea por causa do medo da dor do parto normal...
Quando ela me disse isso fiquei pensando mil coisas... em mil motivos para uma escolha como essa (juro que sempre tento entender!) e acabei chegando à conclusão que escolher uma cesárea sem indicação alguma, só por medo da dor do parto normal é uma atitude totalmente egoísta. Sei que muitas pessoas vão me criticar, mesmo assim vou tentar explicar através de perguntas porque acho a cesárea desnecessária um ato totalmente egoísta...
Bom....
Espera-se que toda mãe ame incondicionalmente os filhos, faça qualquer coisa por eles. Algumas até dizem que dão a própria vida pela a dos filhos, certo??
Então como entender que na hora de colocá-los ao mundo, preferem levar em consideração somente o bem-estar DELAS?? "Estou cansada, não aguento mais essa barriga.. não vejo a hora de completar 37 semanas pra fazer a cesárea."...  "Vai ser cesárea porque não quero sentir dor..." muitas dizem.
Como entender que preferem arriscar a vida dos pequenos por medo DELAS sentirem dor? E a dor (física, emocional ou mesmo ambas) que eles sentem ao ser "arrancados" sem aviso algum do seu ninho de proteção, conforto e segurança? Como você se sentiria, se fosse arrancada à força de seu quarto escuro, de sua cama quentinha, segura e confortável e fosse levada para um local totalmente estranho, frio, iluminado e cheio de gente desconhecida??
Porque as mães podem se informar, podem se preparar fisica e emocionalmente para a cirurgia, né? Mas, sem o aviso que o trabalho de parto dá, como avisar ao bebê que ele será "nascido" dessa forma? "Nascido"... porque ele não nasceu, não estreiou, ele foi "nascido" por alguém.
Como entender a realização de uma cirurgia de grande porte, cheia de riscos e pós-operatório para se enfrentar (e sabemos que isso tem influência direta na descida do leite e na formação do vínculo inicial do binômio mãe-bebê) e a aceitação de intervenções desagradáveis no bebê como a aspiração de vias aéreas superiores, porque ELAS não querem sentir nada?
Como entender que preferem pôr seus filhos em risco do que se arriscarem por eles?
Olhem só as diferenças entre esses seres.... 20..30 anos de experiências separam essas pessoas. Uma grande, outra pequena. Uma forte, outra frágil. Uma consegue se impor, falar o que é melhor para si.. a outra não. Uma consegue se proteger, a outra não!
Não é muito egoísmo uma mulher saudável, forte, cheia de experiências anteriores se colocar à frente de um ser pequeno, frágil e que não pode dar sua opinião em nada?
A dor do parto não é má. Não causa sofrimento. Ela é uma benção!! Ocorre para dizer à mãe que seu corpo está funcionando corretamente e que em breve seu bebê estará em seus braços. É um feedback que chega somente no final, para dizer à mãe de que ela foi esplêndida nos últimos 9 meses...  É o abraço mais apertado que o corpo feminino pode dar em suas crias. Abraço de despedida, forte, intenso. Então, porque ignorá-la? Porque anulá-la? Porque transformá-la em algo ruim, negativo? Porque associá-la ao sofrimento se tudo o que ela faz é ser um aviso de que um milagre está prestes a acontecer? Porque não deixar que esses abraços ocorram?
Se você for mãe ou está se tornando uma, pense bem em suas escolhas... e reflita se você é mesmo capaz de fazer qualquer coisa por seu filho. Se coloque no lugar dele.
Pense bem sobre o tipo de boas-vindas que você quer dar ao seu bebê... que tipo de primeira-impressão você quer que ele tenha.... que tipo de experiência sensorial, emocional e física você quer compartilhar com ele... As atitudes maternas devem começar cedo... e não somente depois do nascimento dos filhotes!
Pense nisso e abrace......
Beijos, Rê

Comentários

Mamãe outra vez disse…
Foi você que escreveu? Amei o texto! Muito lindo, até me emocionei.
Bjs.
Tb me emocionei. Sou suspeita pra dizer (por causa dos meus partos,né)mas é muito por aí. Creio que o mito da dor do parto normal se sobrepõe ao querer dar o melhor pro filho. E isso é assustador; pq essa dor, aos meus olhos, é dor pra vida; é uma dor transformadora!
Eu tenho SAUDADE dos meus partos; lembro com muito amor de cada contração dolorida; principalmente do último parto (qeu foi se anestesia nenhuma)e eu sei que cada um dos meus filhos tb foi beneficiado com cada contração.
Gostei muito do texto, Re. Corajosa vc, viu; te admiro!
Beijo!!
Sara Rodrigues disse…
Re tú falou tudo, realmente a dor é o ultimo abraço que o corpo da no bebê lhe desejando seja feliz la fora.... lindo me emocionei....
Realmente conheço varias mulheres que morrem pelo filho, mas na hora do parto não querem a dor...
Acho que toda criança deve ter o direito de nascer na hora que desejar, da mesma forma que acho que amamentação é direito e dever... direito do bb de receber e dever da mãe de dar...
Bjosss
Flavi disse…
Olá não tenho medo da dor... Tenho medo de tudo, menos da dor...

Se puder ler meu blog e saber um pouquinho da minha história vou ficar felíz.


http://www.bonitadocepimenta.com.br/2010/11/historia-dos-meus-partos-ate-aqui.html

Beijos

Flavia, mãe de Natália 15a e Gustavo 13a e grávida de 22 semanas.
Renatinha disse…
Re, q texto maravilhoso!
quem dera todas as gravidas e futuras gravidas entendessem o que algumas de nos entendem ja!
E atravez de textos como esse chegamos mais perto da verdade!
Como sempre tiro meu chapeu!
bjus
Flavi disse…
Vou precisar sim de ajuda para eliminar meus "fantasmas", aliás, é tudo que preciso nesse momento porque os médicos nos quais já passei só botaram terror rs...

Muito obrigada pela visita!

Beijinhos
Bom Renata, como psicóloga perinatal vejo os vários fantasmas que povoam os sentimentos das mulheres neste período... São muitas as questões que atravessam, e às vezes aniquilam o desejo de um parto normal, natural, de dar passagem... Acredito até que esse desejo esteja presente, na forma de um conflito mesmo, em todas as mães,mas os fatores externos tb não colaboram, aliás reforçam os medos: é a estatística de cesáreas, o padrão estabelecido da beleza (e o parto ameaça, na fantasia, devido à entrega do corpo que é exigida), o fato de que a grande maioria dos médicos estimulam e até incitam o parto planejado, controlado, pela facilidade que ele oferece ao obstetra, somado aos medos inconscientes, o desejo de controle (com data, hora e signo escolhidos), a fantasia de que o bebê passa e leva com ele o prazer (pelo medo de ficar "alargada"), a família que tentando poupar a mãe da dor e do sofrimento tb apoiam a cesárea, etc, etc, etc.
Penso e sinto que a questão está no trabalho emocional necessário neste período, para emponderar a mulher com o SEU desejo, e assim fazer o parto possível. Sempre digo que o melhor parto é aquele que é possível, física e emocionalmente.
Um abraço fraterno.
Adorei o texto tb.
Sou mãe de dois meninos, ambos paridos de parto normal, e o último de parto natural.
Rosângele Prado
Psicóloga Perinatal
rosangeleprado.blogspot.com
(Psicologia da Maternidade e Cuidados com a Infância)
Patrícia disse…
Texto perfeito, concordo plenamente. Acho o fim agendar uma cesárea por medo de sentir dor.
Fiz o pré-natal com um médico terrorista, que me falava coisas horríveis sobre o PN para me desestimular (nem vou citar os absurdos que ele me dizia)... Mudei de médico aos 7 meses de gestação, tive um bom acompanhamento em todo TP, tudo certinho, dilatação total, mas no final das contas (durante o parto) meu bebê não nascia e tive que fazer uma cesárea de emergência. Mas não desisti, meu próximo bebê nasce de PN com certeza. E da próxima vez (agora com mais informação) terei uma doula me acompanhando.
Bjs.

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…