Pular para o conteúdo principal

"Eu não tive dilatação"

Repassando um texto super bacana da querida Angela Rios, fisioterapeuta e louca por gestantes assim como eu!

Das muitas indicações para a cesariana desnecessária, a que escuto mais comumente é “Não tive dilatação”. Diversas vezes já ouvi de mulheres que tentaram ter o parto normal, muitas chegaram a ficar horas em trabalho de parto, com fortes dores que causaram uma exeriência traumática, pois resultaram em uma cirurgia cesariana por não terem tido dilatação. Essas mulheres, na segunda gravidez já optam por cesariana, pela experiência traumática de um trabalho de parto mal sucedido e usam para si mesmas o argumento de que “não posso ter parto normal, pois não tenho dilatação”.

Em regra, qualquer mulher que esteja em trabalho de parto fisiológico, com a cascata hormonal acontecendo naturalmente, terá dilatação e conseguirá parir. Exceções existem, porém, são casos específicos e com certeza não corresponde à realidade da maioria.

Então, porque essas mulheres não conseguem parir?

Em primeiro lugar, a assistência ao trabalho de parto é falha. Por contraditório que pareça, ir para o hospital aos primeiros sinais de trabalho de parto contribui negativamente para o seu desenvolvimento, aumentando as chances de evoluir para uma cesariana desnecessária, muitas vezes após horas de dor e sofrimento. Isso porque:

- No hospital, a mulher sente-se fragilizada, está fora de seu ambiente de domínio, e por não se sentir a vontade “briga” com seus próprios instintos e com isso inibe a cadeia hormonal (veja mais na entrevista com Michel Odent)

- No hospital, a parturiente fica submissa às intervenções e decisões da equipe, que muitas vezes dá orientações erradas (não grite, não ande, fique quieta), faz comentários inapropriados (Nossa, que coragem a sua ter parto normal!), e não explica a necessidade e objetivo das intervenções que são feitas, tornando a mulher um agente totalmente passivo.

- As intervenções hospitalares muitas vezes são desnecessárias, afligem e desconcentram a parturiente (como monitoramento contínuo da pressão e batimentos cardíacos fetais), causam desconforto (como a colocação de supositório anal para lavagem intestinal e acesso venoso de soro) e atrapalham a castaca hormonal fisiológica (como a infusão contínua de ocitocina, hormônio que provoca contrações uterinas dolorosas e ineficazes).

- O trabalho de parto pode demorar muitas horas a partir de seus primeiros sinais, que gera ansiedade na mulher e nos familiares, associado a um longo tempo de internação e intervenções como as citadas acima, acabam causando a impressão de que algo está errado, que está demorando demais, que está passando da hora...

- Para acelerar o trabalho de parto, não é raro ser administrado ocitocina em doses cada vez maiores, que provocam fortes dores de contrações uterinas contra um útero com o colo ainda fechado (ou seja, sem dilatação). A dor aumentam o medo, o medo aumenta a dor em um ciclo vicioso que acaba por interromper o andamento normal do trabalho de parto, por isso a mulher não tem dilatação.

É importante entender que os hormônios do nosso corpo são orquestrados de forma inteligente, com doses adequadas de acordo com cada fase. E que alguns hormônios não são desejados durante o trabalho de parto (como a adrenalina, desencadeada pela ansiedade e medo).

Assim, o trabalho de parto mal sucedido está muito mais ligado à incapacidade da equipe médica de conduzir o trabalho de parto do que à incompetencia do corpo da mulher de parir.

Se você realmente deseja um parto normal sem sofrimento, é fundamental que seu médico seja favorável ao parto normal e saiba conduzi-lo, quevocê tenha o acompanhamento de uma profissional preparada para assisti-la (uma doula) e que a equipe da maternidade trabalhe de forma a garantir a saúde sua e do bebê sem intervenções desnecessárias, dando apoio e conforto.

Comentários

Flavi disse…
Ou seja, é quase nula essa possibilidade rss... A única que dá para ter ao nosso lado com toda certeza é a doula, o resto é muito díficil...

Adoro seu blog e aprendo muito aqui.

Beijosss
Thais Ramos Dias disse…
adorei o texto... posso fazer das suas palavras as minhas??? beijao
Elisa disse…
Adorei o texto e amo esse blog!

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…