Acupuntura na gestação

Não sei se já havia falado aqui pra vocês, mas comecei minha segunda pós-graduação e escolhi fazer acupuntura!! Sim... decidi escolher uma área em que eu possa continuar trabalhando com vocês, barrigudas!!! O curso será longo, e o estudo será árduo... mas acho que vai valer a pena!! E pra começar os artigos nesta área, hoje trago uma matéria sobre a acupuntura na gestação! Espero que gostem! =)

A técnica ajuda o corpo a se adaptar às mudanças da gravidez, diminui os desconfortos e equilibra as emoções

Enjôos, azia, dores nas pernas, a coluna sobrecarregada, mil ansiedades. Coisas de grávida, mas que você não precisa encarar como um destino imutável. Todos esses sintomas podem ser amenizados e até eliminados com acupuntura. Você não gosta nem de pensar em agulhas? Vença esse medo, pois elas podem tornar sua gravidez muito mais tranqüila e feliz. Já está comprovado que a acupuntura auxilia na cura de problemas físicos e acalma o estado emocional. O que vem sendo reconhecido agora são os seus benefícios na gestação. "As mudanças que ocorrem durante a gravidez exigem adaptações aceleradas do corpo da mulher. A acupuntura facilita esse processo. E trata desconfortos como náuseas, azia e gastrites de forma muito mais segura do que os remédios, nem sempre recomendados nessa época", afirma Lilian Fumie Takeda, obstetra especialista em medicina chinesa, da clínica Com-Ciência, em São Paulo, e membro da Sociedade Médica Brasileira de Acupuntura.  
Criada antes da Era Cristã, na China, tem como base um tratamento simples: estimular determinados pontos do corpo, onde se encontram o maior número de terminações nervosas, usando agulhas, calor, laser, pressão dos dedos, ventosas ou eletrodos.
Segundo a medicina chinesa, o desequilíbrio de nossas energias é que causa doenças. "O objetivo da acupuntura é justamente fazer voltar a harmonia, antes que o desequilíbrio desencadeie sintomas como dores lombares e enxaquecas", explica o fisioterapeuta e acupunturista do Espaço Mammy to Be, Marcos Vidal Pires Dourado. Ainda não se sabe muito sobre o porquê da localização dos pontos utilizados na acupuntura. Apenas que, quando estimulados, liberam a produção de hormônios que atuam no organismo, em particular no sistema nervoso, mantendo seu equilíbrio. E que gestante não sonha exatamente com isso?
A artista plástica Liliana Valéria Sant´Ana Maia Gosula, 35 anos, foi atrás da acupuntura antes mesmo de pensar em ter um filho. Ela sentia dores na coluna por ter sofrido um acidente de carro. "Tentei remédios, RPG, fisioterapia, mas apenas a acupuntura me aliviou e me deu segurança para engravidar. Eu sabia que as dores tenderiam a piorar quando a barriga crescesse e não poderia tomar remédios", conta Liliana, que agora está no oitavo mês da gestação. "Fiquei surpresa com o tratamento. Comecei por causa das costas e acabei observando mudanças em tudo. Quem me conhece fala que hoje sou uma pessoa muito mais calma", diz.

Mais fértil
Acupuntura é bom para a fertilidade. Na mulher, porque aumenta o fluxo sanguíneo nos órgãos reprodutivos e normaliza a ovulação. "As pacientes que a utilizam respondem com mais rapidez aos tratamentos de fertilização", confirma o ginecologista Paulo Serafini, diretor do Huntington Centro de Medicina Reprodutiva. Um estudo realizado pelo urologista Edson Gurfinkel, do Setor de Reprodução Humana da Universidade Federal de São Paulo, revelou que os homens também são beneficiados: com a acupuntura, eles têm um aumento médio de 25% na quantidade de espermatozóides.

Os benefícios

A lista de bons efeitos da acupuntura na gravidez é grande. Dependendo do ponto estimulado, ela funciona como analgésico, antiinflamatório ou antialérgico. Também melhora a circulação, que fica mais lenta na gravidez por conta do aumento do fluxo sanguíneo. "Quem tem hipertensão, uma das maiores causas de complicações no último trimestre da gestação, será beneficiada, pois a estimulação dos pontos normaliza e mantém a pressão arterial normal. Enjôos e gastrites são amenizados", esclarece Ysao Yamamura, chefe do Setor de Medicina Chinesa da Universidade Federal de São Paulo. Segundo ele, o que mais faz as grávidas procurar os acupunturistas são as dores nas costas. "Os pontos estimulados, nesse caso, relaxam a musculatura, aliviam a sensação de peso e diminuem a tensão e a ansiedade. Tudo isso corrige a postura e melhora as dores", diz Ysao.
O estado emocional, que pode ficar a mil durante a gravidez com hormônios que aumentam ou diminuem, também só tem a ganhar com a acupuntura. Isso porque, segundo a medicina chinesa, são as emoções muitas vezes as responsáveis por nossos sintomas físicos. Ao tratá-los, elas se equilibram. "A acupuntura está fazendo muita diferença nesta minha segunda gravidez", constata a ginecologista Cacilda Maria de Oliveira Almeida Maia, 42 anos, no sétimo mês de gestação. "O tratamento me ajudou a não ter insônia, a ficar mais centrada, ver tudo com mais clareza. Nada da confusão emocional da primeira vez", festeja.

Para o bebê
Ainda não há estudos mostrando os efeitos da acupuntura para o feto. "Sabemos por experiência de consultório que, quando a mãe fica bem, isso se reflete no desenvolvimento do bebê", afirma o acupunturista Ysao. Segundo ele, alguns médicos se utilizam da técnica até para posicionar o bebê para o parto, quando ele está, por exemplo, sentado na barriga da mãe. "Nessa reta final da gravidez, a acupuntura também ajuda a induzir as contrações para acelerar o trabalho de parto. No nascimento, ela não substitui a anestesia, mas sua aplicação diminui a quantidade de analgésico que a gestante necessita", diz a obstetra Roxana Knobel, que foi responsável pelo Departamento de Acupuntura da Universidade Estadual de Campinas e comprovou esse efeito numa pesquisa com 120 mulheres, no momento do trabalho de parto. "Elas foram divididas em quatro grupos. Em três deles aplicou-se a acupuntura, que foi apenas simulada no quarto grupo. As mulheres que não tiveram o tratamento precisaram de uma dose maior de analgésico", comenta Roxana. 

Medo da agulha
Ele pode afastar certas gestantes da acupuntura, pela associação com injeções, mas saiba que a agulha usada não é a mesma. Ela é menor, bem mais fina e entra menos de um centímetro na pele. Além disso, tão descartável quanto a outra. Ou seja, não há risco de contaminações. "Em minha primeira sessão, achei que ia ficar tensa, mas não senti absolutamente nada. No máximo, em alguns pontos, percebi uma certa ardência. E o peso da minha barriga desapareceu", conta a dentista Leila Angélica Ramos Bitar de Oliveira, 32 anos, no oitavo mês de gravidez.
Se agora você já está pensando em considerar a acupuntura na sua gestação, resta um alerta fundamental: certos pontos são considerados perigosos porque estimulam a contração uterina e podem, quando muito usados, levar ao trabalho de parto prematuro. Por isso, o tratamento só deve ser feito por profissionais especializados. 

Pós-parto
Nessa fase, a acupuntura reequilibra as funções do organismo e a produção hormonal. O benefício é para a amamentação. "A mulher fica mais tranqüila, o que se refletirá na produção de leite. A acupuntura ainda contribui na cura da mastite, inflamação dos seios comum nesse período", explica a fisiatra especialista na técnica, Adriana Leonardi Barbosa Lima. Segundo ela, como o tratamento atua no sistema nervoso, também ajuda na depressão pós-parto. "Outro benefício é para a pele, porque a acupuntura melhora a circulação e estimula o colágeno. A pele fica mais lisa, as manchas desaparecem mais rápido."

*Fonte: Crescer

1 comentários:

Sandrinha disse...

O que seria a cesárea se não um parto??