Pular para o conteúdo principal

"54 dias é a média de amamentação exclusiva das brasileiras"

Mães têm sido punidas por amamentar seus filhos em público. Por que esse ato gera controvérsia e incomoda tanto? 

 Um “mamaço” nacional percorreu o País. Dezenas de mulheres com bebês no colo se reuniram em parques e praças de capitais como Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife e Belém para exigir o direito de amamentar em público. O protesto, ocorrido no primeiro domingo de junho, foi organizado após vários episódios de discriminação contra mães que amamentavam seus filhos em locais de grande circulação. Na Espanha, uma jovem marroquina de 22 anos perdeu a guarda de sua filha, de 1 ano e 3 meses, sob a acusação de amamentá-la demais (leia quadro). Aqui no Brasil, uma mãe foi proibida de amamentar seu bebê enquanto visitava uma exposição no Instituto Itaú Cultural, na capital paulista. Na Inglaterra, outra mulher foi convidada a se retirar de um pub só porque estava dando de mamar para o filho. Mas, se o aleitamento materno é uma característica natural da humanidade, por que esse tema gera tanta polêmica atualmente?


Segundo a historiadora Mirtes de Moraes, coordenadora do grupo de estudos de gênero, raça e etnia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, e autora do doutorado “Tramas de um Destino: Maternidade e Aleitamento”, a relação da sociedade com a amamentação vem se transformando ao longo dos tempos. Enquanto na França do século XVIII e no Brasil do século XIX quem alimentava os bebês eram as amas de leite, no século XX a figura materna voltou a ser a mais indicada para a função. “Essa situação mudou novamente na década de 1960, quando a mulher chegou ao mercado de trabalho”, diz Mirtes. “Naquela época, as pessoas, incluindo os médicos, acreditavam que o leite industrializado servido na mamadeira era mais benéfico ao bebê do que o materno.” Na opinião da historiadora, porém, um conceito resistiu incólume à passagem do tempo. “O ato de amamentar sempre está ligado a algo sagrado e, portanto, deve ser reservado e preservado. Por isso tanta gente se incomoda ao ver uma mãe amamentando em público”, diz.

A assessora de imprensa Patrícia Boudakian, 29 anos, conhece essa sensação. Mãe da pequena Alice, de três meses de idade, ela conta que não sente vergonha de amamentar a filha em público, mas percebe muitas pessoas constrangidas com a situação. “Algumas mulheres olham com reprovação e os homens, ao contrário, evitam se aproximar e até mesmo olhar”, diz. Tal comportamento é comum em sociedades machistas, na opinião de Ari Rehfeld, psicoterapeuta e professor da Faculdade de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). “Para o homem, olhar seria reconhecer seu desejo”, afirma Rehfeld. “Com a maior exposição atual do corpo feminino, o seio passou a ter mais apelo erótico do que alimentar.” O que as mamães mais desejam é reverter essa situação. “Se todas amamentassem seus bebês em público, esse ato seria mais aceito”, defende Patrícia. Dá-lhe mamaços.
 
g.jpg
 g1.jpg

 *Fonte: ISTOÉ

Comentários

Sara Rodrigues disse…
O que me deixou extremamente feliz esse final de semana foi saber que Habiba teve sua filha de volta, isso me comoveu muito como pode, punir uma mãe e uma filha pelo simples fato de fazer o correto, e isso é correto não estou aqui falando de partos pois tenho minha opiniao, mas aleitamento é o correto e não tem conversa....

bjão Rê

P.S. Pablo esta com 1 ano e 2 meses e mama muito aonde quiser e cristão nenhum nesse mundo vai me vetar....

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…