Pular para o conteúdo principal

Patriarcado, repressão sexual e partos dolorosos

Repassando um texto bacana da Laura Gutman.... com tradução meia-boca do Google!


Nós mulheres ficamos vários séculos de história mergulhadas na repressão sexual. Isto significa que temos considerado o corpo como baixo e lascivo, os impulsos sexuais malignos e todas as sensações corporais, indesejáveis. Quando é que aprendemos que não há lugar para o corpo no prazer? No exato momento do nascimento. Segundos após o parto já desejamos ser tocados. Perdemos o contato que era contínuo no paraíso uterino. Nascemos de mães reprimidas por gerações e gerações de mulheres ainda mais reprimidas, rígidas, congeladas, dura, paralizadas e temerosas em tocar. Então o instinto maternal se deteriora, se perde, se torna turvo.

Neste contexto, as mulheres com mais de séculos de patriarcado, longe de nossa harmonia interior, não querem parir. É lógico, porque os nossos úteros estão duros. Nosso ventre está acorrentado e nossos braços nos defendem. Não temos sido abraçadas e embaladas por nossas mães, porque têm elas não sido cunhado pelos nossos avós e tantas gerações de mulheres perderam qualquer vestígio de suavidade feminina. Por isso que, quando chega o momento de parir, dói o corpo todo por inflexibilidade, subjugação, a falta de ritmo e toque. Odiamos desde os tempos remotos nosso corpo que sangra, muda, ovula, que se mancha e é incontrolável.

É importante notar que, além da subjugação e repressão sexual histórica, as mulheres dão à luz em cativeiro. Durante um século, as mulheres entraram no mercado de trabalho, universidades e todos os circuitos ..e temos cedido o último bastão de poder feminino: o parto. Uma vez que temos pouco ou nenhum canto da antiga sabedoria das mulheres. Acabou-se. Não há nenhuma cena de parto. Agora há tecnologia. Máquinas. Homens. Tempos programados. Drogas. Punções. Ataduras. Tortura. Silêncio. Ameaças. Resultados. Olhares invasivos. E medo, é claro. Reaparece o medo no único refúgio que durante séculos ficou restringido aos homens. Acontece que temos abandonado a caverna. Ter entregue os partos foi como vender à alma feminina ao diabo. Agora cabe às mulheres fazerem algo sobre isso, se quisermos recuperar o prazer do orgasmo dos nascimentos e poder assumir que podemos implantar, na medida em que os partos voltarem para nós.


Comentários

Ártemis disse…
Lindo texto, e a tradução ficou incrivelmente boa (!).
Augusta disse…
Simmm, lindo texto, dolorosa realidade...me desespera ouvir e ver mulheres, amigas, instruidas, bem relacionadas e o diabo a quatro, que a sociedade pede, massss sem a minima consciência corporal, negando o prazer de parir por simples falta de conhecimento, falta de conhecimento sobre si mesmas, sobre seus corpos...uma pena.
Simone Faith disse…
Nota 10 o texto, Renata.
Gostei!

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…