Pular para o conteúdo principal

Distocia emocional

O assunto de hoje não é muito falado, mas quando presente no trabalho de parto de uma mulher pode atrasar e bloquear todo processo, impossibilitando a mulher de parir. Esse bloqueio é causado pela DISTÓCIA EMOCIONAL!

Só encontrei textos em espanhol sobre o tema, então pedi para minha querida doula-doulanda Mirian Kedma para traduzir os textos para vocês!!! Então aí vai nossa contribuição:

Denomina-se distocia o parto trabalhoso ou difícil. Considera-se distocia emocional o stress materno, o medo, cansaço e dor excessiva durante o parto.

Há uma série de fatores que podem predispor a gestante à distocia emocional:
  • Partos anteriores difíceis;
  • Experiências traumáticas prévias ou atuais (por exemplo, abusos físicos ou sexuais);
  • Múltiplas hospitalizações anteriores;
  • Desestruturação familiar;
  • Consumo de substâncias psicoativas;
  • Fatores culturais: vergonha extrema produzida pela nudez, ou pela presença de um homem ou por outros comportamentos contrários às expectativas culturais da mulher;
  • Barreiras idiomáticas ou impossibilidade para entender que está acontecendo ao seu redor;
  • Morte da mãe da mulher (principalmente, se ocorreu durante a infância);
  • Crenças pessoais sobre o parto: lesões durante o nascimento de alguém próximo, história traumática em relacionamento com o próprio nascimento, etc.

A ansiedade da mulher traduz-se em um aumento dos hormônios do estresse, que influeciam diretamente as contrações uterinas, diminuindo-as e aumentando os hormônios que produzirão estresse fetal. Desta maneira o fornecimento de oxigênio através da placenta é reduzido, e cresce o risco de desaceleração cardíaca fetal. Tudo isto, contribui para intensificar o estresse materno, o desânimo e a necessidade de apoio. Esta série de acontecimentos implica uma fase prodrômica longa, lenta e dolorosa.



Por outro lado, o aumento fisiológico dos hormônios do estresse (catecolaminas), quando a mulher se encontra perto do final do parto, provoca o reflexo de expulsão fetal, que acelera o nascimento. Nestes momentos, a mulher pode sentir, por alguns instantes, pânico, angústia ou euforia, emoções que são a resposta normal ao aumento das catecolaminas e à proximidade do nascimento.

Para evitar o estresse materno, a mulher deve ser encorajada a:
  • Explorar, durante a gravidez, os possíveis medos, emoções e sentimentos em relacionamento com o nascimento;
  • Aprender técnicas de relaxamento;
  • Conhecer, durante a gravidez, a equipe e o local onde vai ocorrer o nascimento;
  • Elaborar um plano de parto e ter a oportunidade de discutí-lo com a pessoa ou a equipe que a acompanhará durante o processo;
  • Expressar as suas emoções durante o parto.

Fonte original: Infermeira Virtual


Comentários

Adorei o post re! Tinha lido o original em espanhol e amado! Tenhopesquisado muito para tentar sistematizar a tecnica... qualquer novidade vamos nos falando ok? bjos, Mari

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…