Pular para o conteúdo principal

Desapegue, se aproxime e enxergue...


Não sou religiosa (acredito em Deus, mas não sigo nada), e este post nem tem o intuito de discutir religião, mas hoje aprendi um pouquinho mais sobre o Budismo, com minha colega de pós-graduação, a Luceli.
Ela me contou que no budismo há 3 "pecados" (não foi esse termo que ela usou, mas não lembro da palavra correta): o apego, a aversão e a ignorância. E todos eles estão ligados ao sofrimento!
Lógico, que a minha mente doulística logo relacionou isso ao mundo obstétrico!! Não sei se tendi da forma como deveria... mas tentem acompanhar meu pensamento.... rs

APEGO:
Quando estamos numa ótima situação, com tudo correndo bem, nos apegamos àquela situação. Não queremos mudar. Não queremos que nada influencie isso. Não aceitamos que a história de reverta! Mas como a Luceli disse, ninguém consegue viver na crista da onda o tempo todo!! Precisamos cair, entender porque caimos, para buscarmos forças para nos erguer novamente! Durante a gestação passamos por isso quando de repente, percebemos que teremos que mudar de médico para se conseguir parir. "Ah, mas ele é meu ginecologista há 15 anos!!!".... E dá medo de mudar, de procurar um novo, de trilhar novamente um caminho. Nos apegamos aquele profissional, mesmo sabendo que ele não irá prover tudo que necessitamos.... e remoendo tudo isso, sofremos.
No trabalho de parto, também podemos passar pela fase de apego. No início, achamos que tudo será ótimo! Que está gostoso sentir as contrações, mas quando elas se intensificam a coisa muda. E não gostamos da mudança!! E ficamos apegadas ao que acabamos de passar tão confortavelmente. Hesitamos, e resistimos às mudanças. É dificil se entregar às contrações mais intensas, à dor. Ao fundo. Não enxergamos que será desse "fundo" que nos reergueremos mais fortes, satisfeitas e esplendidas. E se não conseguimos enxergar.... sofremos.

AVERSÃO:
Quando não gostamos de uma situação, quando não queremos passar por certa experiência, a evitamos a todo custo. É a aversão. Não conseguimos enxergar outra maneira, não conseguimos perceber que essa "má situação" pode ser boa e deixamos de experimentá-la. Na gestação, vemos isso quando nos deparamos à situações de "quebra de rotina". "Doula? Parir? Parir de cócoras? Sem analgesia? Magiiiiiiiiina... credo! Deus me livre disso!! O quê? Parto é sexual? Sentir prazer? Lógico que não!!!"
Durante o trabalho de parto também temos um pouco de aversão... pois ela acaba sendo substituta do apego. Quando a fase de transição se aproxima, e há perda de controle e a racionalidade dá lugar aos instintos, temos medo. Repulsa. Aversão. Medo daquela fase de transição, da dor, da transformação que está por vir, dos instintos, do comportamento. Tensionamos. Nos fechamos, endurecemos, calamos, nos distanciamos de nós mesmas... e com isso, sofremos.

CEGUEIRA:
E a cegueira, vem junto das duas situações. Quando não queremos ver que tudo tem dois lados, que a vida é ciclica, que tudo tem altos e baixos, estamos cegos. Nada é pra sempre, nem o bom, nem o ruim... e tudo tem um significado! Na gestação vemos muuuuuuito isso. Quantas e quantas mulheres se deixam levar por uma cegueira "informacional" (nem sei se existe essa palavra). Por mais que haja informação, grupos, evidências, elas não enxergam outras possibilidades.... simplesmente entregam seus bebês e a si mesmas para o primeiro profissional que aparece. Não questionam, simplesmente por estarem apegadas ao comodismo e aversão de ter que ir atrás e se tornar responsável por algo muito maior
E no parto, as coisas funcionam assim também! Cada contração traz um aprendizado, uma oportunidade de reflexão, de transformação, de entrega....  e se fechamos os olhos para isso, também sofremos! E aí todo processo de amadurecimento dessa mulher, se torna horrível, dolorido, cinza...

Na gestação, no trabalho de parto e parto, assim como no Budismo, é necessária uma dose de esforço para se livrar do sofrimento. E para isso necessitamos de determinação, pois costumamos desanimar quando uma situação se mostra maior do que as nossas forças mais imediatas...  Mas para gestar e parir um bebê, a mulher precisa encontrar forças onde ela nunca foi procurar.  É necessário o esforço, o desapego, a aproximação e a visão clara para se conseguir atingir um objetivo!! E quando o objetivo é dar à luz de uma forma digna, respeitosa, prazerosa e iluminada, creio eu, que todo esforço recompensa....  principalmente quando lembramos que a dor é inevitável, mas o sofrimento é totalmente opcional! 


=)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…