Pular para o conteúdo principal

Mãezinha é a vovózinha!

Eu já havia falado sobre este tema aqui. E volto com esse assunto porque a Dra. Melania Amorim escreveu um pequeno texto sobre o modo com que tratamos as gestantes e que achei ótimo para compartilhar com vocês.


"Mamãe", "mãe", "mãezinha", "gravidinha": por que não tratar gestantes dessa maneira?

Apelidos aparentemente carinhosos apontam para dois problemas, quando analisamos o seu uso por profissionais de saúde: a desqualificação da mulher enquanto protagonista, "reduzindo-a" a um ser infantilizado, alienado e incapaz de tomar as rédeas de sua gravidez e do parto e a sua despersonalização e "coisificação" dentro da instituição, o que também pode ser considerado, por trás de uma fachada de gentileza e carinho, como violência institucional.

Gestantes e parturientes devem ser tratadas por seus nomes, e fazer questão disso. Eu, particularmente, sempre odiei ser tratada por "mãezinha" nas poucas vezes em que levei os meus bebês em médicos que eu não conhecia pessoalmente. Não sou mãezinha! Sou uma mulher forte, empoderada, que tem dois filhos e cuida deles, além de ter uma carreira, como médica, parteira, professora e pesquisadora.

Da próxima vez em que receberem esses apelidos, experimentem tratar os profissionais de saúde por "doutorzinho" ou "mediquinho" ou "enfermeirinha". Qual deles irá atender sem se sentir ofendido? E vamos, todos, profissionais de saúde e usuárias, nos policiar para evitar a verbose, que é a "doença da palavra". Não é somente uma questão semântica, é que a forma de tratamento reflete exatamente o modelo tecnocrático, medicalocêntrico, no qual estamos inserindo. "Coisificar" e "despersonalizar" o paciente reforça uma relação hierárquica e contribui para centrar a tomada de decisão exclusivamente nas mãos dos médicos (mas isso vale para outros profissionais de saúde).

Por uma relação simétrica e pelo respeito à individualidade de cada um, não poderemos continuar "pacientes" com esse tipo de tratamento.

(Dra. Melania Amorim - obstetra em Campina Grande)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…