Pular para o conteúdo principal

Relato: VBAC transformador

A K me mandou um email com 26 semanas... era leitora do meu blog e estava participando das reuniões do Grupo Vinculo, mas como nas reuniões que ela foi eu não pude comparecer, combinamos de nos conhecer no próximo encontro que o GV faria.
Ela já era mãe de uma menina de 15 anos, nascida de cesárea quando K ainda era moleca... e a experiência não foi algo bacana e por isso nessa segunda gestação, ela queria tentar um parto normal!
No dia do encontro encontrei um mulherão com um sorriso lindooooo e um olhar super firme! Combinamos de nos encontrar outro dia na casa dela para conversarmos com calma.... e aí acabamos nos acertando de que eu seria sua doula mesmo. Passei algumas leituras e ela continuou indo no GV... onde foi se informando mais e entrando em contato com o parto humanizado. Tempo foi passando, a gente se vendo e conversando sempre... mas foi no final da gestação que ela trouxe à tona uma questão que me deixou com a pulguinha atrás da orelha: ela não achava muito certo a cabeça do bebê passar pela vagina!! A imagem a angustiava, mesmo assistindo a vários vídeos e sabendo que aquilo era normal. Conversamos, pedi para ela conversar com sua médica e também procurar outros profissionais para conseguir trabalhar esse medo dela, afinal era algo que podia travar seu parto!
Feito isso, ficamos aguardando o V. dar sinais de que queria sair da barriga... E foi numa quarta à tarde que a coisa começou! Ela tinha passado pela médica dela e sua bolsa amniótica se rompeu no consultório mesmo... E então ela foi para casa tentar descansar e se preparar para o trabalho de parto que poderia se iniciar a qualquer momento... Eu saí do meu trabalho, e fui vê-la no início da noite. K estava super bem, na companhia do seu marido.... Fiquei um pouquinho com eles, e fui para casa tomar um banho e dar uma descansadinha, para voltar a acompanhá-los quando o trabalho de parto estivesse instalado mesmo.
No início da madrugada me ligaram... contrações de 5 em 5 minutos!! Ê coisa boa!! Lá fui eu... A médica da K havia pedido para irmos à Maternidade quando contrações estivessem de 4 em 4 minutos, para que K começasse a receber antibiótico preventivo pois ela era estrepto positivo... Então ficamos aguardando em casa as contrações atingirem esse patamar para sairmos.
Chegando na Maternidade, K foi avaliada... e subimos então para o quarto, para ela receber a primeira dose de antibiótico. Aproveitei deixei o quarto mais escurinho e já preparei o banho quentinho, pois a água ajudava bastante a aliviar a dor.
Devagar ia conversando, tentando ajudá-la a relaxar....  mas era algo bem difícil para K. O cansaço também começou incomodá-la e de manhã, quando sua médica chegou para avaliá-la má notícia: dilatação continuava da meeeeeeeeeesma forma, mesmo com contrações suuuper boas, frequentes, duradouras, efetivas.
Então doutora decidiu colocá-la na analgesia. Não é algo que ela faz sempre, mas achou que nesse caso seria bem-vinda.. e a médica acertou na mosca!! Após 1 hora de analgesia, a dilatação de K pulou de 2  para 7 cm! Era isso! Ela precisava relaxar e diminuir a dor para que seu corpo respondesse... Nesse tempo lá no CO, K aproveitou para descansar e recuperar as forças. E eu fiquei com o marido no quarto, descansando também. Quando fui vê-la, sua dilatação estava completa e K era outra mulher. Feliz, com sorriso de orelha a orelha, caminhando, toda linda!! 
Então ajeitamos tudo para que ela pudesse parir seu V! E também decidiu que seria de cócoras. Banqueta providenciada, marido sentado atrás para apoiá-la, e restante da equipe em sua frente só aguardando!!
Não posso esquecer de dizer que nessa fase aquele medo do expulsivo não existia mais... K. vibrava com cada sensação que seu corpo proporcionava, pois nessa hora o efeito da analgesia começou a diminuir e K. voltou a sentir as contrações e o expulsivo. Lembro dela dizer animadíssima sobre a sensação do bebê estar rodando... e fez questão de olhar no espelho seu bebê coroar, e acariciou seus cabelinhos.... E a cada contração, K fazia força concentrada e nos intervalos abria o sorriso. Sabia que estava conseguindo... sabia que ia conseguir!
E algumas forças depois, ele nasceu!!!! Lindããão!! E já foi pro colo da mamãe que estava mais poderosa do que nunca!! Era nítido no rosto dela o orgulho que estava sentindo de si mesma......... e lógico, que eu também senti orgulho, pois ela venceu seus medos, seus limites e conseguiu trazer seu bebê da forma com que achava mais correto!!
K... estou muuuuuuuuuuuito feliz por você e por ter presenciado você curar o nascimento da G com esse parto lindo do V!
Que sejam muuuuuuuuuito felizes!!
Um beijo

Comentários

Oi Renata!!
Mto lindo este depoimento, me emocionei!!
Estou grávida de 5 meses e sonho mto com um parto natural.
Moro em Portugal e queria o acompanhamento de um doula ao meu lado, mas dessa vez, não foi possível. Quem sabe no próximo q já estarei no Brasil.
Venho acompanhando o seu blog e AMO suas dicas.
Estou me preparando com tudo que está ao meu alcance para eu poder realizar meu sonho de parto natural. Faço mtas caminhadas e começarei essa semana a fazer yoga. Quero tb comprar uma bola de Pilates para seguir os exercícios que vc sugere no blog.
Mto bom ter suas dicas por perto nesse momento mágico.
Parabéns pelo seu trabalho e sua alegria em ajudar e passar suas experiências p as pessoas.
Beijão e boa semana~
Priscila

Postagens mais visitadas deste blog

Linha Purpura e parto

Durante a gestação o corpo da mulher se modifica, se pigmenta e algumas linhas se formam... Uma das linhas mais conhecidas é a linha nigra, aquela linha escura que aparece no abdome da maioria das gestantes devido alterações hormonais e que depois some...  Mas agora conhecemos uma outra linha, menos perceptível (por estar mais escondida) mas com uma função maravilhosa: indicar indiretamente a evolução do trabalho de parto! Sim!!! O corpo consegue expressar qual o nível de descida do bebê e dilatação do colo através de uma linha que aparece no bumbum: a linha purpura!! Não é demais????? Eu já havia notado a linha purpura em gestantes, mas nunca me atentei para ela... nem imaginava porque ela existia!!! A linha purpura foi descrita e estudada apenas por parteiras cujos estudos já são meio antigos (1990 e 1998) e este ano voltou a ser comentada através da tese de livre docência da Dra. Nádia Zanon Narchi, que resolveu usar a linha purpura como método auxiliar de avaliação de fase ativa do t…

Secreções vaginais durante a gestação e parto

FAQ do site da ONG Amigas do Parto...




Que tipos de secreções vaginais uma gestante pode apresentar?
Durante a gestação e o trabalho de parto as mulheres podem apresentar secreções vaginais consideradas fisiológicas ou não a depender de suas características e época de aparecimento. Basicamente temos 4 tipos de perdas vaginais:
1. Corrimento vaginal
2. Sangramento
3. Tampão mucoso
4. Líquido amniótico
Como são as características de um corrimento vaginal fisiológico?
A cavidade vaginal é como a cavidade oral, assim como temos saliva na boca, temos uma certa quantidade de corrimento na vagina, algumas mulheres têm mais e outras menos. Durante a gestação, a quantidade desta secreção fica aumentada e tem como característica ser esbranquiçada, com odor característico da vagina que não é desagradável como de peixe estragado, e também não é acompanhada de coceira. A gestante também não apresenta ardor ou dor na relação sexual. A coloração do corrimento deve ser observada quando está saindo e nã…

Exercícios para o parto

FOTO 1 -Exercícios Kegel
Durante o último mês da gravidez, alguns exercícios simples podem ajudar a preparar seus músculos para o trabalho.

Comece com exercícios Kegel, que ajudam a manter o tônus dos músculos pélvicos. Basta apertar os seus músculos pélvicos como se você parar o fluxo de urina. Tente manter por cinco segundos, por quatro ou cinco vezes. Depois tente manter os músculos contraídos durante 10 segundos, relaxando 10 segundos entre as contrações. Objetivo é realizar, pelo menos, três séries de 10 repetições por dia. Você pode fazer os exercícios em pé, sentada ou deitada.

FOTO 2 - O alfaiate sentado
O alfaiate sentado trabalha os músculos das coxas e pélvis. Também melhora a postura, mantém as articulações pélvicas flexíveis e aumenta o fluxo sanguíneo para a região mais baixa do corpo.

Para praticar a posição, sente no chão com suas costas retas. Junte as plantas dos pés, puxe o calcanhar para sua virilha e suavemente relaxe os joelhos. Você vai se sentir um estirament…